Mariana Durão/Estadão
Mariana Durão/Estadão

Contra preços 'salgados' do Parque Olímpico, comerciante vende 'quentinhas' a R$ 10

Frequentadores das instalações olímpicas pedem comida para 'seu' Jair

Mariana Durão, Rio de Janeiro, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2016 | 05h00

Os preços salgados do Parque Olímpico da Barra se tornaram um bom negócio para Jair Belém Ribeiro, 51 anos. Antevendo o movimento durante os Jogos, ele montou uma “filial” da sua Belém Quentinhas nas proximidades do centro de mídia, onde bate ponto de 11h30 às 13h30 todos os dias nos últimos dois meses e vende até uma centena de pratos feitos por dia.

As quentinhas do seu Jair custam apenas R$ 10,00, com direito a arroz, feijão, batata frita, salada e uma carne. No cardápio de ontem era possível optar por frango assado, bife ou filé de frango, além de bebidas como refrigerante e guaraná natural. Uma boa parte das vendas é feita por encomenda. “O pessoal liga de manhã e deixamos as quentinhas separadas”, conta. A forma de pagamento fica ao gosto do freguês, já que são aceitos cartões alimentação, de débito e crédito.

“Lá dentro é um pouco caro e tem muita fila. Aqui é mais rápido”, diz Igor do Nascimento, que trabalha na transmissão da competição e ficou sabendo das quentinhas no seu primeiro dia no Parque Olímpico por dica de colegas. “A divulgação é feita no boca a boca”, diz. 

Mesmo contando com a propaganda dos clientes, o pequeno empresário também recorreu à internet, onde criou uma página da Belém Quentinhas na rede social Facebook. Por enquanto são apenas 36 amigos, mas é possível que o número cresça com a “fama olímpica” do negócio, criado inicialmente para fazer entregas em obras no Rio de Janeiro. 

Os preços de Jair são de fato bem mais leves para o bolso dos frequentadores das instalações olímpicas. Os R$ 10,00 da quentinha equivalem ao preço de um pacote de biscoito amanteigado no restaurante do centro principal de mídia. A garrafa de 500 ml de água gasosa sai a R$ 6,00, mas os mais sofisticados podem desembolsar R$ 24,00 por uma garrafinha de 127 ml de vinho tinto ou branco. Quem preferir fazer um prato de comida deve preparar o bolso para pagar R$ 98,00 o quilo.

Apesar de saborosa, a comida muitas vezes chega fria na mesa. Foi o que ocorreu com a repórter, que levou 12 minutos na fila de espera do caixa do restaurante. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.