Takuma Matsushita/CPB.
Takuma Matsushita/CPB.

CPB acionará COI caso não tenha acesso às imagens que tiraram ouro de Thiago Paulino em Tóquio

Brasileiro do arremesso de peso da classe F57 (cadeira de rodas) teve tentativas invalidadas após apelação da delegação chinesa e ficou com o bronze

João Prata, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2021 | 12h10

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) ainda tenta reverter a decisão que tirou a medalha de ouro de Thiago Paulino no arremesso de peso da classe F57 (cadeira de rodas) na Paralimpíada de Tóquio. A entidade pediu que o Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) torne pública as imagens que foram usadas para invalidar os arremessos do brasileiro. 

Caso não tenha a solicitação atendida, o CPB promete ir na próxima semana ao Comitê Olímpico Internacional (COI), que é o responsável pelos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. A intenção é ter acesso à decisão que tirou o ouro do Brasil.

Thiago Paulino é o atual recordista mundial e bicampeão mundial do arremesso de peso da classe T57. Após uma apelação da China, o atleta teve dois arremessos invalidados e, com isso, passou a ser medalhista de bronze nos Jogos de Tóquio. 

O ouro ficou para o chinês Guoshan Wu, que havia terminado em segundo lugar. O outro brasileiro da prova, Marco Aurélio Borges, que tinha terminado em terceiro, garantiu a prata.

Paulino ficou apenas com o primeiro arremesso válido, de 14,77m. Dos outros cinco, dois foram invalidados na hora da prova, dois foram invalidados horas depois e o atleta havia escolhido não fazer a última tentativa, pois já era campeão olímpico.

Os brasileiros souberam da contestação somente 10 horas depois do término da prova. Paulino explicou o que aconteceu: "Os chineses contestaram, alegando que eu estava levantando do banco, fazendo um arremesso ilegal. O delegado da prova e os árbitros analisaram os vídeos e viram que eu estava fazendo o arremesso corretamente. Mesmo assim, após a prova, eles protestaram de novo e mais uma vez os árbitros mantiveram a decisão. Aí eles foram para o júri de apelação, que é quem decide, quem bate o martelo. O júri simplesmente decidiu tirar a minha medalha de ouro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.