Rio-2016 acelera mudanças na escolha de futuras sedes dos Jogos

Falhas em planos deixaram federações irritadas com comitê carioca e exigem que essa problema não se repita em futuras edições

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2016 | 10h55

 As federações esportivas e o COI vão modificar a forma pela qual organizam os Jogos Olímpicos diante da constatação de que não podem deixar que a crise que afeta o Rio-2016 se repita no futuro. Documentos confidenciais obtidos pelo Estado revelam que as diversas modalidades e a direção do COI optaram por acelerar uma reforma interna na forma de selecionar a sede dos Jogos de 2024 e mesmo na organização da Olimpíada de 2020, em Tóquio. depois do agravamento dos problemas enfrentados pela cidade carioca para cumprir o que prometeu. 

Roma, Paris, Los Angeles e Budapeste são as cidades que concorrem para sediar o evento de 2014, numa decisão que será anunciada já em setembro de 2017. Mas a situação na cidade brasileira, faltando pouco mais de cem dias para o evento, está criando uma revolução interna entre os dirigentes. 

Documentos da Associação Internacional de Federações Esportivas (Asoif) revelam que a crise que atingiu o Rio está levando as diferentes modalidades a buscar um acordo com o COI para permitir que elas também possam fazer suas avaliações sobre as candidaturas antes mesmo de uma cidade ser escolhida. 

Em 2014, o COI havia lançado uma reforma interna, conhecida como Agenda 2020. A meta era a de repensar os Jogos Olímpicos e seu impacto. Agora, porém, o que ocorre no Rio acelerou todo o processo. 

No relatório, as federações apontam que "a situação econômica global e especialmente no Brasil piorou, criando muitos desafios para a entrega dos Jogos e a necessidade de encontrar uma redução de custos substancial para se manter um orçamento equilibrado". 

No informe de março de 2016 e circulado no dia 19 de abril, as modalidades esportivas confirmam que a crise no Rio colocou a agenda de reformas na linha de frente da atuação do COI. "Diante do aumento da pressão em todos relativo à preparação dos Jogos do Rio de 2016, a prioridade foi naturalmente dada a isso (reforma) pelo COI, pela Asoif e por seus membros", indicou o texto. 

"À medida que os problemas relativos à Rio-2016 se tornam críticos, elementos do novo modelo estão sendo testados nos últimos meses antes dos Jogos de 2016 com vistas a que sejam implementados na Olimpíada de Tóquio em 2020", explica o informe. 

Dois pontos são considerados como essenciais pelas diferentes modalidades esportivas. A primeira delas se refere à capacidade das federações esportivas serem ouvidas pelas cidades para 2024 para que possam "ajudar a moldar as candidaturas". 

Os dirigentes do tênis, hockey, esgrima, ginástica e tantos outros também querem que o COI os consulte a cada estágio do processo de seleção das futuras sedes para que possam opinar sobre qual das candidaturas é mais favorável às diferentes modalidades. 

Já na semana passada, grupos liderados pela Federação Internacional de Judo criticaram a decisão "política" de levar o evento para o Rio, numa eleição que ocorreu em 2009. Questionado pelo Estado, o presidente do Comitê Organizador da Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, rejeitou a crítica e disse que esse era um assunto que as federações deveriam resolver com o COI. "Isso não nos diz respeito", apontou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.