Miriam Jeske/COB
Miriam Jeske/COB

Curso de Enfrentamento do Assédio e Abuso no Esporte supera 750 atletas inscritos

Objetivo do programa é mostrar como esses fatores podem se manifestar no meio esportivo

Redação, Estadão Conteúdo

05 de maio de 2020 | 14h57

O curso de Prevenção e Enfrentamento do Assédio e Abuso no Esporte (PEAAE), desenvolvido pelo Instituto Olímpico Brasileiro (IOB), tem sido uma das opções mais procuradas por atletas e ex-atletas neste período de coronavírus. Lançado em 13 de março, em formato de ensino a distância (EAD), o PEAAE já atraiu cerca de três mil profissionais do esporte, sendo mais de 750 atletas e ex-atletas.

O objetivo do curso é mostrar como o assédio e o abuso podem se manifestar no meio esportivo, de que forma é possível reconhecer seus sinais e como as organizações podem enfrentar essas práticas, além de explicar ações de prevenção, denúncia, enfrentamento e acolhimento às vítimas.

"Sabemos que isso existe e que muitas dessas histórias permanecem ocultas. É importante que todos sejam incentivados a estudar e a se preparar melhor. Da minha geração para trás, são poucos os que tiveram essa oportunidade", disse a ex-jogadora de vôlei Ida, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos Atlanta 1996. "Precisamos desse respaldo no esporte, onde muitos jovens deixam suas cidades e seus familiares e acabam não sabendo lidar com várias situações. Esse curso nos traz outra visão, e me sinto mais consciente e preparado para oferecer ajuda", complementa Isac, meio-de-rede do Cruzeiro e da seleção brasileira de vôlei.

Gratuito e com carga horária de 30 horas, o curso está dividido em quatro temas principais: "O que é assédio e abuso?" - definições e categorias; "Reconhecendo os sinais" - como identificar casos de assédio e abuso; "Conhecendo o seu papel" - reconhecer, denunciar e prevenir; e "O que as organizações esportivas podem fazer?" - como atuar na prevenção do assédio e abuso no esporte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.