De ídolo a dúvida, Nalbert abandona férias por 4a Olimpíada

De capitão, ídolo e titularabsoluto a um jogador veterano que ainda precisa provar suacapacidade física para garantir espaço no grupo. Essa é atrajetória seguida por Nalbert, que abriu mão de descansar emMiami para tentar disputar, em Pequim, a quarta Olimpíada dacarreira. De férias marcadas e passagem comprada para os EstadosUnidos, o jogador desistiu do programa após ter recebido umainesperada ligação do técnico Bernardinho, convidando-o paratreinar com a seleção masculina de vôlei na preparação para aLiga Mundial e os Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto. "A chama estava praticamente se apagando, mas essetelefonema reacendeu completamente", disse Nalbert, que nestaterça-feira começou a treinar com a equipe, às 8h da manhã, nocentro de treinamento em Saquarema (RJ). Nalbert, ícone do time multicampeão sob o comando deBernardinho, trocou as quadras pelo vôlei de praia após aconquista do ouro olímpico em Atenas-2004. No ano passado, elefez o caminho inverso numa tentativa de disputar os JogosPan-Americanos do Rio de Janeiro, sua cidade natal, mas umalesão impediu seus planos. Recuperado, ele manteve a decisão de jogar vôlei de quadra,e no mês passado foi vice-campeão da Superliga, jogando peloTelemig Celular/Minas. O convite de Bernardinho para voltar àseleção aconteceu após a participação na final da competição. "Disse a ele que tinha certeza que com o trabalho que éfeito na seleção, valia a pena pelo menos tentar", disseNalbert. "Ponderei que já estou com 34 anos e preciso de algunscuidados especiais, mas ele disse que isso também aconteceriacom outros jogadores mais experientes." A trajetória de Nalbert lembra o caminho seguido porGiovane, outro campeão olímpico das quadras que tentou a sorteem vão na praia e depois retornou para a seleção em papelcoadjuvante. "O Giovane é um grande exemplo disso tudo. Antes de ir parapraia, ele era titular absoluto, e voltou numa condição dereserva, compondo o grupo. Eu me espelho muito nele. Minhacondição aqui é parecida com a dele", afirmou o jogador, quegarantiu que essa será sua última participação na seleção. Para Bernardinho, ter Nalbert no grupo que se prepara paraPequim é importante tanto dentro como fora de quadra. Oex-capitão aumenta a competição pelas 12 vagas na Olimpíada, eobriga os 19 convocados a mostrarem o máximo de seu potencial. "O mais importante é que ele continua no campo de batalha.Isso demonstra a vontade de leão de um cara que não precisaria,mas que quer", afirmou o técnico sobre Nalbert. Depois que encerrar a carreira na seleção, Nalbert pretenderealizar mais um sonho: montar e defender um time do Rio naSuperliga. "Ideal mesmo seria o Flamengo, mas acho que eles nãotêm um projeto para isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.