Divulgação/ Federação Internacional de Judô
Divulgação/ Federação Internacional de Judô

De olho em vaga olímpica, judocas brasileiros lamentam cancelamento de Grand Prix

Competição seria disputada no Marrocos e foi cancelada por causa do coronavírus

Redação, Estadão Conteúdo

04 de março de 2020 | 11h28

Os judocas brasileiros Marcelo Contini e Phelipe Pelim lamentaram nesta quarta-feira o cancelamento do Grand Prix de Rabat, no Marrocos, devido ao coronavírus. A competição seria importante para a dupla em busca de pontos no ranking que definirá os classificados para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Contini, da categoria até 73kg, é o terceiro brasileiro mais bem colocado no ranking do seu peso, sendo o 66º geral. Somente os 18 melhores do ranking atualizado em 25 de maio vão obter a vaga direta na Olimpíada, sendo que será permitido apenas um atleta por país na classificação direta.

"Fico chateado com o cancelamento. Fiz uma preparação e me programei para a competição. Mas a situação no mundo está realmente alarmante. Então, temos que respeitar as decisões, e que sejam as melhores possíveis para todo mundo. Seguirei treinando e espero conseguir competir na próxima", afirmou o judoca, já pensando no Grand Prix de Tbilisi, na Geórgia, entre 27 e 29 de março.

Já Phelipe Pelim é o segundo brasileiro e o 29º colocado no ranking da categoria até 60kg. "Era uma competição muito importante nessa corrida olímpica. Infelizmente não pode ser realizada, mas acredito que a saúde esteja em primeiro lugar e que nada é por acaso. Agora é focar e continuar a preparação para a próxima batalha", comentou o brasileiro.

De acordo com a Federação Internacional de Judô (IJF, na sigla em inglês), o cancelamento do Grand Prix partiu do governo do Marrocos, que cancelou ou adiou todos os eventos esportivos marcados para o país nas próximas semanas.

"Nós pedimos desculpas para o acontecimento inesperado e compreendemos o inconveniente para os envolvidos na organização, para os atletas e para as delegações", lamentou a entidade, em comunicado.

"A IJF está no momento procurando uma solução adequada para esta situação inesperada e todas as suas consequências, em todos os níveis. Como medida emergencial, a IJF reabriu a inscrição para o Grand Slam de Ecaterimburgo, na Rússia, até o dia 12 deste mês." A competição será disputada entre 13 e 15 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.