AFP
AFP

Decisão do Tribunal pode selar destino russo no Rio-2016

Moscou desafia COI e anuncia equipe com 387 atletas

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE EM GENEBRA, O ESTADO DE S.PAULO

21 de julho de 2016 | 07h00

O movimento olímpico vai saber, nesta quinta-feira, se a Rússia poderá ou não competir nas provas de atletismo nos Jogos do Rio. A decisão será anunciada pelo Tribunal Arbitral dos Esportes e deve também pautar o futuro de toda a delegação russa na Olimpíada de 2016. 

O Tribunal julgará um recurso apresentado por 68 atletas que foram banidos do Rio pela Federação Internacional de Atletismo depois que um informe mostrou no mês passado como o governo havia orquestrado o doping de dezenas de esportistas. Atletas que se julgavam "limpos" atacaram a decisão. Uma delas é Yelena Isinbayeva, que ontem foi uma das esportistas que prestaram depoimento ao Tribunal.

 Será a partir do julgamento desta quinta que o próprio COI vai estabelecer se o mesmo princípio de uma suspensão total poderia ser adotado também para todas as demais modalidades. Nesta semana, um segundo informe com novas revelações mostrou a fraude em 20 esportes. Uma decisão sobre essas demais modalidades pode ser anunciada no domingo. 

O ex-presidente da WADA, Dick Pound, criticou ontem o COI por não estar disposto a adotar uma pena mais dura e ainda considerar brechas para Moscou. "Eles estão muito relutantes em uma exclusão total", disse. "O doping era endêmico. Era um programa institucionalizado", disse. 

"O que temos é uma trapaça organizada por um governo em ampla escala", disse. "É necessário que se mande uma mensagem que impeça essa conduta", insistiu. Para ele, se o COI não agir, o dano será para todo o movimento olímpico. "Não se pode dizer : temos tolerância zero, salvo para a Rússia". Pound não esconde, porém, que não há dúvidas de que outros países também tem programas institucionalizados de doping. 

Enquanto uma decisão final não é anunciada, o chefe do Comitê Olímpico Russo, Alexander Zhukov, desafiou a pressão internacional e anunciou que enviará uma equipe de 387 atletas ao Rio, incluindo os 68 esportistas que aguardam uma decisão hoje. 

Para ele, não existem planos de boicotar os Jogos e garantiu que Moscou não quer ver a política envolvida no evento. "Tentativas de usar os Jogos como uma espécie de arma política fazem parte do passado distante", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.