Defesa diz que há locais mais seguros que Palácio Itamaraty para festa com chefes de Estado

Encontro com Temer aconteria em prédio fica no centro da capital fluminense

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2016 | 17h52

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse que há locais mais seguros que o Palácio Itamaraty para o encontro dos chefes de Estado com o presidente em exercício Michel Temer, na abertura da Olimpíada. A festa está prevista para ocorrer no local, sede da representação do Ministério das Relações Exteriores no Rio de Janeiro, no centro da capital fluminense.

"Eu acho que existem outros locais que contribuem melhor para a segurança dos mandatários. Mas se houver determinação de realizar o encontro ali, vamos garantir todas as condições de segurança para que os chefes de Estado cheguem ao palácio, sejam recebidos e transitem sem qualquer problema", afirmou o ministro. Jungmann citou o Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste, como possível alternativa ao Itamaraty. "O Rio de Janeiro tem muitos salões. É claro que há todo um simbolismo no Palácio do Itamaraty. É um prédio belíssimo e abriga nossas melhores tradições em termos de diplomacia. A decisão final (sobre o local do evento) cabe ao Ministério das Relações Exteriores", afirmou.

O ministro desembarcou nesta tarde no Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, e fica na cidade até domingo, quando as Forças Armadas assumem oficialmente a segurança das vias expressas e da região de Deodoro, na zona oeste, inclusive das instalações olímpicas do bairro.

Após desembarcar, o ministro vistoriou as operações de segurança aeroporto - há militares espalhados nos saguões. Também verificou o sistema de 900 câmeras de monitoramento do Tom Jobim e a revista de passageiros. Jungmann também acompanhará os últimos exercícios militares, inclusive a simulação de resgate de refém numa das barcas da travessia Rio - Niterói.

ENQUETE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.