João Pires|Fotojump
João Pires|Fotojump

Desempregada, Thaisa volta à seleção de vôlei e mira Olimpíada

Jogadora está recuperada de cirurgias nos dois joelhos

Estadão Conteúdo

28 de abril de 2016 | 18h50

Desempregada depois de rescindir contrato com o Vôlei Nestlé, de Osasco, Thaisa tenta deixar a incômoda situação de lado. A central está de volta à seleção brasileira feminina de vôlei após ficar fora da equipe do técnico José Roberto Guimarães durante toda a temporada internacional de 2015, enquanto se recuperava de cirurgias nos dois joelhos. "Esse ano fiquei muito ansiosa pela convocação. Quando o Zé anunciou o grupo e comecei a arrumar a mala para ir à Saquarema (RJ) a felicidade foi muito grande. Estou feliz de perceber que consigo fazer todo o treinamento da seleção", disse Thaisa, nesta quinta-feira, em conversa com a imprensa, no CT do vôlei.

De acordo com ela, durante a disputa da Superliga Feminina, ela ainda não estava treinando 100%. Agora, sente-se melhor fisicamente. "Aqui estou conseguindo acompanhar as meninas e isso tem sido uma grande vitória", contou. "Depois da operação não conseguia fazer exercícios básicos e fiquei em dúvida se ia conseguir voltar a jogar como antes."

Praticamente todo o elenco que deverá ir para a Olimpíada já treina em Saquarema. As exceções são a ponteira Fernanda Garay e a oposto Sheilla, que atuam na Europa e só se apresentarão "nas próximas semanas", de acordo com a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Grávida, a levantadora Fabíola está em Brasília e ainda não sabe se voltará ao esporte ao tempo de disputar a Olimpíada.

"Acho que temos um time muito forte e com total condição de ganhar os Jogos Olímpicos. Sabemos que vai ser difícil, mas se tivermos o grupo forte e unido somos uma das equipes candidatas a medalha de ouro. Estamos nos doando e o astral do grupo está ótimo. Toda a equipe está motivada e trabalhando forte", garantiu Thaisa.

 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.