Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Sophie Kip/AFP
Sophie Kip/AFP

Designer pediu retirada do logo de Tóquio 2020 após sofrer assédio

Kenjiro Sano toma decisão para proteger família e empregados

EFE

02 de setembro de 2015 | 08h53

O designer do logotipo dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, Kenjiro Sano, pediu aos organizadores que retirassem o polêmico emblema por conta de uma forte pressão e assédio sofridos pelas alegações de plágio. "Tomei a decisão após considerar que era difícil continuar com esta situação se quisesse proteger minha família e meus empregados", explicou Sano, em comunicado divulgado nesta quarta-feira pelos meios de comunicação japoneses.

O designer, que jurou não ter copiado ou plagiado nenhum desenho, revelou que se sentiu "atacado" e viu sua privacidade "violada" com a publicação de comentários e fotografias suas na internet. "Cheguei ao limite do que pode aguentar um ser humano", garantiu no comunicado.

Os comentários de Sano foram feitos depois que os organizadores de Tóquio 2020 anunciaram na terça-feira a retirada do polêmico logotipo após as acusações de plágio contra seu criador. Os responsáveis pelos Jogos revelaram que tinham decidido retirar o emblema apresentado em julho depois que o designer fez a solicitação.

A polêmica rodeou o logotipo olímpico oficial de Tóquio 2020 desde que há poucos dias de sua apresentação o designer belga Olivier Debie denunciou que se tratava de um plágio de uma obra sua. Debie considera que o logotipo japonês é muito similar ao criado para o Teatro de Liège há dois anos e, em 10 de agosto, interpôs um processo por plágio perante a justiça belga. Os organizadores tinham defendido até agora o emblema realizado por Sano e inclusive mostraram na semana passada o esboço inicial a fim de afastar as acusações de plágio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.