Desmond Tutu defende boicote de líderes à abertura da Olimpíada

O arcebispo ganhador do PrêmioNobel da Paz Desmond Tutu pediu a líderes mundiais que nãocompareçam à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos dePequim, em agosto. "Líderes do mundo livre, pela finalidade do bem, nãocompareçam à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos até queesteja claro que eles (chineses) acabaram com a violênciacontra os tibetanos", disse Tutu em cerimônia na Cidade doCabo, no domingo, durante o revezamento alternativo da tocha"tibetana". O sul-africano acendeu a "tocha tibetana", que foi lançadaem Nova Délhi em 30 de janeiro e vai viajar por cidades doscinco continentes até voltar em maio para Dharamsala, na Índia,onde fica o Parlamento tibetano no exílio. Protestos acompanharam a tocha olímpica oficial em diversascidades do mundo, onde manifestantes contestaram a situação dosdireitos humanos na China e a repressão do regime chinês noTibet. "Vamos deixar a China saber que esse é um universo moral",disse Tutu. "Devemos dizer a eles 'prestem atenção', porque deforma alguma o errado vai prevalecer para sempre. A injustiçanão tem como prevalecer para sempre. Devemos dizer a todosesses opressores, vamos dizer no ouvido de Mugabe (o presidentedo Zimbábue, Robert Mugabe), 'você já perdeu"', disse ele, sobaplausos. O Zimbábue tem sido criticado internacionalmente por nãodivulgar os resultados da eleição presidencial de 29 de março,que a oposição alega ter vencido. Perguntado sobre o anúncio feito pela China na semanapassada de que pretende negociar com assessores do Dalai Lama,o líder espiritual do Tibet, Tutu disse que espera por"negociações expressivas". "Rezamos para que os chineses saibam que é do melhorinteresse deles fazer isso", disse Tutu à Reuters. Tutu é umamigo próximo do Dalai Lama. (Reportagem de Wendell Roelf)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.