Diego Hypólito é recebido como campeão no Rio

Escola de sambas, faixas e até uma medalha foram entregues ao ginasta, que fala em continuar treinando

Hilton Mattos, O Estado de S. Paulo

23 de agosto de 2008 | 19h11

Faltou apenas o desfile no carro do Corpo de Bombeiros. Diego Hypólito desembarcou neste sábado no Rio recepcionado por aproximadamente 100 pessoas que se acotovelaram no apertado saguão do Aeroporto Santos Dumont para dar boas-vindas ao ginasta brasileiro. Mesmo com a queda que emperrou o sonho do ouro em Pequim, parentes, amigos e 40 integrantes da Portela o guardavam com faixas, bandeiras e muito carnaval. Uma singela medalha nas cores da escola de samba (azul e branca) lhe foi oferecida, provando que, para o povo brasileiro, ele continua sendo um campeão. Ao pisar no setor de desembarque, Diego não se deu conta do tamanho da festa. Nem passou pela cabeça que tal manifestação fosse em sua homenagem. Acenou timidamente para as pessoas que conseguiu identificar na parte externa, fez gestos de carinho para os pais e, de repente, aos gritos "ao, ao, ao, Diego é campeão", os ritmistas da Portela deram início e uma festa com a cara do Brasil. "Não estou acreditando! Gente, isso tudo é pra mim? Não merecia tanto!", assustou-se Diego, que correu em direção ao público antes mesmo de recolher as bagagens. "Vocês são ótimos, não sei como agradecer. A medalha não veio em Pequim, mas essa recepção vale ouro. Estou muito feliz. Obrigado a todos", disse, emocionado. Foram muitas homenagens. Uma enorme bandeira do Flamengo com a inscrição "Diego, superação" foi confeccionada às pressas e entregue ao atleta, que não resistiu à força de integrantes da escola de samba que curvaram sua cabeça para lhe colocar uma medalha. "Eu temi pelo resultado. Não sabia o que seria de mim depois do tombo. Mas agora, diante desse carinho todo, não vou desistir. Vi que as pessoas continuam acreditando em mim." Sobre o futuro, ele pretende disputar mais três Olimpíadas. Reiterou que não sabe os motivos pela queda na final do solo, mas avisa que voltará para ser campeão. "O ouro da Maurren (Maggi) e do vôlei feminino serão minhas referências de superação para voltar em 2012 e lutar pelo ouro", declarou o ginasta, referindo-se ao doping da saltadora, em 2003, e a derrota do time de Zé Roberto Guimarães para a Rússia, nas semifinais dos Jogos de Atenas. Além de Diego, desembarcaram as ginastas Daniele Hypolito, Jade Barbosa e a medalhista de bronze na classe 470 Isabel Swan. "Essa medalha vai abrir portas para a vela feminina no Brasil", comentou Isabel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.