Direitos humanos farão parte de pauta de Bush em Pequim

Presidente dos EUA se diz preocupado com o assunto em país cede dos Jogos Olímpicos de 2008

Matt Spetalnick, Reuters

28 de fevereiro de 2008 | 16h54

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta quinta-feira que expressará suas preocupações sobre os direitos humanos na China em conversas privadas com o colega Hu Jintao, durante uma visita a Pequim para os Jogos Olímpicos de 2008. "Eu vou para as Olimpíadas porque é um evento esportivo, e estou ansioso para ver a competição atlética", anunciou Bush em uma coletiva de imprensa na Casa Branca. "Mas isso não evitará que eu me encontre com o presidente chinês, expressando minhas profundas preocupações sobre uma variedade de questões", acrescentou. Os comentários de Bush foram feitos um dia após especialistas e parlamentares terem dito ao um painel do governo dos EUA, que a China não estava cumprindo promessas de melhorar seus registros de direitos humanos para os Jogos. Cinco meses antes da cerimônia de abertura, as condições podem ter ficado piores com a detenção de ativistas chineses que buscavam ligar direitos humanos com aos Jogos, segundo informaram testemunhas à Comissão Executiva do Congresso dos EUA sobre a China. Bush, um fanático por beisebol e futebol americano, tem insistido que não falará publicamente sobre as políticas de Pequim durante a visita aos Jogos. Mas ele deixou claro que, em particular, tem bastante o que dizer a Hu sobre restrições à liberdade religiosa na China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.