Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Dirigente irlandês acusado de cambismo na Olimpíada deixa presídio do Rio

Patrick Hickey conseguiu habeas corpus e foi liberado, mas segue impedido de sair do Brasil

Reuters, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2016 | 11h25

O dirigente olímpico irlandês Patrick Joseph Hickey, acusado de participação em um esquema de venda ilegal de ingressos nos Jogos Rio 2016, deixou a prisão de Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, nesta terça-feira de manhã, beneficiado por um habeas corpus, mas terá de permanecer no Brasil.

Hickey era presidente do Comitê Olímpico da Irlanda e fazia parte da cúpula do Comitê Olímpico Internacional (COI). Ele foi preso pela polícia em um hotel de luxo do Rio no dia 17 de agosto, durante os Jogos Olímpicos.

O dirigente irlandês, de 71 anos, foi indiciado por crime contra o torcedor, formação de quadrilha e marketing de emboscada. Ele estava detido em uma prisão do sistema penitenciário do Estado do Rio e cumpria as regras do local, como uso de cabelo raspado e uniforme.

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio informou na segunda-feira que o desembargador Fernando Antonio de Almeida acolheu o pedido de habeas corpus dos advogados do irlandês, que, no entanto, está impedido de deixar o Brasil e deverá devolver o passaporte às autoridades.

O Comitê Olímpico da Irlanda e as empresas Pro10 e THG foram acusados pela polícia fluminense de montarem um esquema de venda ilegal de ingressos nos Jogos do Rio para faturar cerca de 10 milhões de reais.

O também irlandês Kevin Mallon, diretor da empresa investigada pela polícia THG, deixou o sistema penitenciário do Rio no fim de semana, após ser beneficiado por uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Tudo o que sabemos sobre:
Rio2016Rio-2016Olimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.