AP/Petr David Josek
AP/Petr David Josek

Duplantis bate novo recorde mundial no salto com vara; Thiago Braz é prata

Sueco alcança marca de 6,20m e supera recorde batido no último dia 7 de março; brasileiro salta 5,95m no Campeonato Mundial de Belgrado

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2022 | 16h27

Armand Duplantis não cansa de bater recordes. No Campeonato Mundial Indoor, disputado em Belgrado, capital da Sérvia, o saltador sueco alcançou a marca de 6,20m e conquistou novo recorde mundial no salto com vara. Sem correr riscos de perder o lugar mais alto do pódio, foi pouco ameaçado e após saltar 6,05m passou a se concentrar na quebra do recorde.

Após falhar em duas tentativas, Duplantis finalmente pôde comemorar o salto de 6,20m. No último dia 7 de março, também em Belgrado, o sueco já havia quebrado o recorde, com salto de 6,19m, apenas um centímetro abaixo da nova marca.

O brasileiro Thiago Braz também mostrou que está no páreo para uma nova medalha em Paris-2024, após as conquistas no Rio-2016 e Tóquio-2020. Braz vivenciou momentos complicados na carreira após o ouro conquistado nos Jogos Olímpicos da capital fluminense. Na reta final do ciclo para Tóquio, se recuperou e subiu ao pódio novamente. Agora, segue firme na busca por quebrar seus próprios recordes.

O brasileiro saltou 5,95m e ficou com a medalha de prata. Essa foi a segunda melhor marca da carreira de Thiago Braz, ficando atrás somente do recorde olímpico, de 6,03m, atingido no Rio de Janeiro. O saltador brasileiro também passa a ser dono do recorde sul-americano indoor.

O bronze ficou com o norte-americano Chris Nilsen, com 5,90m. O quarto colocado foi o francês Renaud Lavillenie, que não conseguiu superar a marca de 5,85m.

Ao todo, o Brasil fechou a competição com cinco recordes de área. No salto em altura, Thiago Moura ficou em quinto ao anotar 2,31 m, novo recorde sul-americano. Ainda na mesma prova, Fernando Ferreira terminou em sétimo lugar, com 2,24 metros. O Brasil colocou dois atletas entre os oito melhores do mundo na modalidade. 

Na semifinal dos 60m, mais um recorde. Vitória Rosa obteve 7.14, terminando em oitavo lugar e garantindo a melhor marca sul-americana da prova. Na categoria masculina, Felipe Bardi representou o Brasil, enquanto Rafael Henrique Pereira disputou nos 60m com barreiras e fez 7.58, melhor marca continental.

"Podemos falar que o Brasil não é mais só o país do salto, da velocidade e do arremesso. Temos uma equipe forte em todos os grupos de provas. Inspiração para todos os atletas do País, extremamente gratificante.", disse Wlamir Motta Campos, presidente do Conselho de Administração da CBAt. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.