'É muito cedo para pensar em Londres-2012', diz Scheidt

Brasileiro, medalhista de prata na classe star com Bruno Prada, só quer saber de descansar e curtir a conquista

Redação

21 de agosto de 2008 | 13h34

Robert Scheidt é, sem dúvida, um dos maiores esportistas do Brasil. Além dos oito títulos mundiais (sete na classe laser e um na star), Scheidt é o único no País a ter conquistado quatro medalhas seguidas em Jogos Olímpicos que terminou com a conquista da prata na classe Star, junto com o proeiro Bruno Prada, em Pequim.   Veja também: Scheidt e Prada conquistam a prata nos Jogos de Pequim Ainda assim, o brasileiro garante que as dificuldades foram maiores do que possam parecer. "Erramos na primeira regata. Na segunda, não tivemos sorte e caímos no buraco de vento. Perdemos pontos preciosos", explicou o brasileiro. Outros problemas enfrentados pelos brasileiros foram a forte chuva, a correnteza das águas em Qingdao e a falta de vento ideal para a velejada. "Na chuva era mais difícil diagnosticar e a correnteza era muito forte, isso influencia muito no nosso trabalho." E o importante na busca da medalha de prata, segundo Scheidt, foi a perseverança. Para ele, a medalha sempre esteve próxima, apesar da cautela demonstrada durante toda a competição em Qingdao.  "Nunca desistimos e muito menos desanimamos. Sempre buscamos velejar cada vez melhor", comentou Scheidt, que conseguiu junto com Bruno Prada pular da oitava para a terceira posição antes da 'Medal Race' da classe star, a prova que definiu a medalha. Após a conquista da marca de quatro medalhas (nas classe laser foi ouro em Atenas-2004 e Atlanta-1996; a prata foi em Sydney-2000), Scheidt definiu como consagração a participação nos Jogos Olímpicos de Pequim.  "Foi mais uma consagração, nossa dupla está muito bem, ganhamos o mundial no ano passado. É maravilhoso. Olho para trás e lembro que quando comecei a velejar sonhava em participar de uma Olimpíada. É uma vida cheia de realizações no esporte e ainda tenho muito mais para conquistar", definiu Scheidt.  Para os Jogos de Londres-2012, Scheidt não pretende fazer prognósticos. "É prematuro pensar na próxima olimpíada de 2012, vamos primeiro comemorar a nossa medalha, porque trabalhamos muito e essa semana foi tensa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.