Sergio Dutti|Divulgação
Sergio Dutti|Divulgação

Eleição de porta-bandeira teve menos da metade de votos anunciados em parcial

Prévia do COB tinha 2 milhões e resultado final registrou 961 mil votos

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

01 de agosto de 2016 | 15h07

Um fato chamou a atenção na votação que definiu a pentatleta Yane Marques como porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura dos Jogos do Rio: a discrepância entre o número final de votos e a prévia anunciada pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) na quinta-feira passada. O total de votos apresentado no domingo (961.562) foi menos da metade do que fora anunciado pelo comitê três dias antes.

Procurada pelo Estadão.com nesta segunda-feira, a assessoria de imprensa do COB afirmou que a parcial de votos divulgada na quinta-feira passada estava errada. O equívoco teria partido dos responsáveis pela votação, que foi toda realizada pela internet. O comitê apenas repassou a informação.

Na quinta-feira, o COB havia divulgado que naquele momento já haviam sido "contabilizados mais de dois milhões de votos". Dois dias antes, o diretor executivo de Esportes do comitê, Marcus Vinícius Freire, havia dito que a votação tinha alcançado um milhão de votos apenas nas primeiras 24 horas. O processo de escolha começou na noite de domingo, 24 de julho.

A apuração final, contudo, apresentou números bem diferentes. Segundo a contagem final, 961.562 votos foram computados. O COB não informou números absolutos que cada um dos três candidatos recebeu, apenas a porcentagem: Yane Marques ficou com 49% da preferência, o levantador Serginho com 40% e o velejador Robert Scheidt com 11%.

Tudo o que sabemos sobre:
Yane MarquesOlimpíadaRIo 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.