Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Júlio César Guimarães/ COB
Júlio César Guimarães/ COB

Em adaptação, Flávia Saraiva e Rebeca Andrade iniciam os treinos em Tóquio

Ginastas trabalham no ginásio de treinamento com os aparelhos e começam a entrar no clima dos Jogos Olímpicos

Redação, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2021 | 02h26

As ginastas brasileiras Flávia Saraiva e Rebeca Andrade foram ao ginásio de treinamento na noite desta segunda-feira, em Tóquio, manhã no Brasil, e realizaram o primeiro treino em solo japonês. Ainda se adaptando ao fuso, as atletas tiveram os primeiros contatos com os aparelhos e já puderam sentir o clima dos Jogos Olímpicos.

"Foi um dia mais para mexer o corpo, pois ficamos dois dias sem treinar. Vimos como são os aparelhos para nos prepararmos para os próximos treinos. Estou muito animada para a disputa de mais uma edição dos Jogos Olímpicos", disse Flávia, que disputa o evento esportivo pela segunda vez.

Em 2016, com apenas 16 anos e muito carisma, ela foi um dos destaques na disputa do Rio de Janeiro. Na ocasião, não conseguiu nenhuma medalha, mas conquistou o quinto lugar na trave e ficou em oitavo na competição por equipes. Medalhista de bronze nas categorias por equipes, individual e solo nos Jogos Pan-Americanos de 2019, garantiu a presença nos Jogos de Tóquio ao terminar o Mundial de Ginástica Artística em décimo lugar na classificação geral.

Também presente na Olimpíada de 2016, quando tinha 17 anos, Rebeca Andrade conseguiu o 11º lugar no individual, além da oitava colocação na competição por equipes. A classificação aos Jogos deste ano foi garantida com o ouro do individual geral conquistado no Campeonato Pan-Americano de ginástica artística, no início de junho. Ao som da melodia do funk "Baile de Favela", de MC João, a apresentação que rendeu a medalha a Rebeca viralizou nas redes sociais.

Após o treino desta segunda, a ginasta disse estar se sentindo bem com a preparação e o ambiente proporcionado pela organização, mesmo em tempos de pandemia. "Passamos por todos de forma tranquila e isso é importante porque todos são novos. A aclimatação que fizemos em Doha foi muito boa para chegarmos bem aqui", comentou.

A disputa da ginástica artística nos Jogos Olímpicos de Tóquio começa domingo, com as disputas qualificatórias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.