Kimimasa Mayama/EFE
Kimimasa Mayama/EFE

Em meio a dúvidas sobre realização dos Jogos, Tóquio-2020 recebe a chama olímpica

Cerimônia discreta, por causa do coronavírus, marcou a chegada da tocha na Base Aérea de Matsushima

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 10h48

A chama olímpica está no Japão, país que receberá os Jogos de Tóquio-2020 a partir de 24 de julho. Nesta sexta-feira, em uma cerimônia discreta por conta da pandemia do novo coronavírus, denominado Covid-19, o fogo da Olimpíada chegou na Base Aérea de Matsushima, na província japonesa de Miyagi, escolhida como parte dos "Jogos Olímpicos de Recuperação" para mostrar o renascimento da região após o terremoto, tsunami e acidente nuclear de 2011.

Os responsáveis por receberem a chama olímpica assim que ela deixou a aeronave especial chamada "Tóquio 2020, Go" foram os ex-atletas japoneses Saori Yoshida e Tadahiro Nomura, que a conduziram através de uma guarda de honra a um caldeirão em forma de flor de cerejeira em um palco diante de convidados selecionados.

A ideia inicial da organização era que cerca de 200 crianças de escolas locais acolhessem a chama olímpica, mas elas foram mantidas afastadas como parte do que chamaram de decisão "dolorosa" de reduzir os eventos enquanto o mundo luta contra a pandemia do Covid-19. "Isso nos entristece muito", havia admitido na terça-feira Toshiro Muto, diretor-executivo do Comitê Organizador de Tóquio-2020.

O fogo, símbolo da união da humanidade em torno do espírito olímpico, foi aceso sem a presença de público no último dia 12 nas ruínas de Olímpia, na Grécia. Durante sua curta jornada em solo grego, foi decidido interromper o revezamento devido ao alto fluxo de pessoas, também como uma medida diante da pandemia.

Na quinta-feira, em uma cerimônia mais simples, bem diferente de edições passadas como a ocorrida há quatro anos para os Jogos do Rio-2016, a organização da Olimpíada de Tóquio-2020 recebeu oficialmente a chama olímpica. O evento aconteceu com o estádio Panathinaiko, que tem capacidade para 50 mil pessoas, completamente vazio em Atenas, na Grécia.

Desta sexta-feira até a próxima quinta, a chama "descansará" em uma lamparina até o início do revezamento da tocha olímpica, que acontecerá com medidas de precaução. Haverá uma grande partida da turnê, sem espectadores, na região de Fukushima.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.