Emanuel: 'Pareceu que foi muito menos, foi rápido demais'

Jogador fala da emoção de participar do revezamento da tocha, que deu de presente ao companheiro Ricardo

Ariel Palacios, Correspondente - O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2008 | 19h28

O brasileiro Emanuel Rego, jogador de vôlei de praia, declarou emocionado que levar a tocha olímpica da Olimpíada de Pequim na cerimônia do revezamento em Buenos Aires, na Argentina, nesta sexta-feira, foi "uma experiência totalmente diferente, muito especial...Ainda posso sentir o cheiro da tocha. Era uma mistura de cheiro de tinta nova e combustível. Eu a levei mais ou menos um minuto e meio... mas pareceu que foi muito menos, rápido demais". Veja também: Tocha olímpica passa com protestos pacíficos na Argentina Boicotes políticos prejudicariam atletas, não os Jogos, diz COI Vencedor do Nobel desiste do revezamento da tocha O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo  Os protestos e a ligação histórica com os Jogos OlímpicosO jogador afirmou que em momento algum temeu que a tocha de apagasse enquanto a portava. "Os argentinos afirmavam para mim, com total segurança que ela estava muito bem feita e que não apagaria. Também confiei no esquema de segurança em Buenos Aires. Nunca havia visto um esquema dessa qualidade". O jogador afirmou que ele e seu parceiro de vôlei Ricardo esperam ser classificados para a Olimpíada de Pequim. "Temos ainda 12 campeonatos pela frente. Ao redor do dia 19 de julho vamos saber se estaremos classificados. Estamos perto da classificação", disse confiante. Depois, disse maroto: "não conheço Pequim ainda...mas quero conhecer!". Emanuel também afirmou que deu a tocha que transportou para seu amigo e parceiro Ricardo. "É uma demonstração de nossa amizade. Eu lhe dei a tocha em homenagem a meu parceiro. O Ricardo merece. Eu fico com a emoção de ter levado a tocha. E ele fica com a tocha".  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.