Damir Sagolj/Reuters
Damir Sagolj/Reuters

Entre frustrações e vitórias, EUA lideram Mundial de Atletismo

Americanos ganharam quatro ouros até agora, contra 12 em 2011

Estadão Conteúdo

28 Agosto 2015 | 11h29

Assim como aconteceu no Mundial de Natação, também no de atletismo os Estados Unidos vão demonstrando uma queda de resultados. Se nas piscinas as medalhas de ouro caíram pela metade em quatro anos, nas pistas a redução se dá em proporção parecida. A dois dias do encerramento da competição em Pequim, na China, os americanos ganharam apenas quatro medalhas douradas, contra 12 da edição de 2011.

Mesmo assim, os EUA já assumiram a liderança do Mundial no número total de medalhas. Têm 14, contra 11 do Quênia. No quadro de pontos (que leva em consideração os resultados obtidos em finais, até o oitavo lugar), a vantagem já é expressiva: 172 a 108. Só no número de medalhas de ouro é que os quenianos lideram: seis a quatro.

Nesta sexta-feira, os norte-americanos conquistaram uma única medalha de ouro, com a favorita Tianna Bartoletta, que saltou 7,14m na última tentativa para ganhar o salto em distância com a nova melhor marca da temporada. Shara Proctor, britânica que ganhou prata com 7,07m, e Ivana Spanovic, bronze para a Sérvia com 7,01m, bateram os recordes nacionais de seus países. Como comparação, Maurren Maggi foi campeã olímpica em 2008 com 7,00m.

Só não é possível dizer que o resultado de Bartoletta foi o único que se salvou dos EUA nesta sexta-feira no Ninho do Pássaro porque Ashton Eaton está impressionando no decatlo. O norte-americano lidera com 4.703 pontos e, nos 400m, bateu o recorde mundial desta prova dentro do decatlo, com 45s00.

Nas duas provas rápidas de barreiras, os EUA só conquistaram um bronze. Campeão olímpico em Londres, Aries Merritt foi só o terceiro nos 110m com barreiras, com 13s04. O ouro foi para o russo Sergey Shubenkov (12s98, novo recorde da Rússia) e a prata para Hansle Parchment, da Jamaica, um centésimo à frente do americano.

Entre as mulheres, numa chegada equilibradíssima, a vitória ficou com a jamaicana Danielle Williams, que completou os 100m com barreiras em 12s57, apenas dois centésimos à frente da alemã Cindy Roelder. Alina Talay, da Bielo-Rússia, ficou com o bronze, com 12s66.

Também nos 200m feminino não houve EUA no pódio, numa prova fortíssima. A holandesa Dafne Schippers fez a quarta melhor marca de todos os tempos (21s63) e foi seguida de perto pela jamaicana Elaine Thompson (21s66), que fez o sexto melhor resultado de todos os tempos. A veterana Veronica Campbell-Brown garantiu o bronze para a Jamaica.

BRASIL

Jucilene Sales de Lima participou das eliminatórias do lançamento do dardo e terminou em um frustrante 25.º lugar, com um lançamento de 59,49m. Para ir à final, precisava de 62,21m, resultado melhor do que sua melhor marca na temporada - 61,23m.

Já no decatlo, Felipe Vinicius dos Santos está num surpreendente sétimo lugar após cinco provas, com 4.344 pontos. Deve ser levado em consideração, entretanto, que ele tinha 4.397 pontos neste mesmo estágio no Pan de Toronto e terminou apenas em quarto. No sábado, a competição segue com as disputas dos 110m com barreiras, disco, salto com vara, dardo e 1.500m.

Mais conteúdo sobre:
atletismoMundial de Atletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.