Envio da tocha olímpica ao Everest é ofensivo, dizem tibetanos

Exilados na Índia e no Nepal afirmam que chineses utilizam os Jogos para reforçar o domínio sobre o Tibete

Abhishek Madhukar, Reuters

08 de maio de 2008 | 11h06

Os tibetanos exilados na Índia e no Nepal reagiram com dor e indignação ao fato de a tocha olímpica ter chegado ao pico do Everest na quinta-feira, dia 7, afirmando se tratar de uma manobra inteligente da China para reforçar sua pretensão de domínio sobre o Tibete.   Veja também:  O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundoMuitos tibetanos da cidade de Dharamsala, norte da Índia e lar do governo tibetano no exílio, viram na televisão a notícia sobre a tocha ter completado sua jornada rumo ao local mais alto do mundo. Autoridades exiladas do Tibete afirmaram que a condução da chama olímpica ao pico do Everest através do Tibete era algo de mau gosto e não condizia com o espírito dos Jogos. "Neste momento, em que a situação no Tibete é muito grave e sombria, sentimos ser algo provocativo carregar a tocha olímpica pelo lado tibetano da montanha", afirmou à Reuters Thubten Samphel, secretário do Departamento de Informação do governo exilado. "Os chineses estão suprimindo o povo tibetano. Isso não está em harmonia com o espírito da Olimpíada." O périplo mundial da chama olímpica viu-se marcado por protestos anti-China que, segundo o governo chinês, foram arquitetados pelo líder espiritual do Tibete, Dalai Lama. O Dalai Lama, no entanto, negou a acusação, afirmando apoiar os Jogos e estar feliz com o fato de a China organizá-los, uma postura com a qual muitos tibetanos discordam. "Na hora em que vi a tocha acesa no topo do monte Everest senti-me muito ofendido", afirmou Tenzin Loseal, dono de um cibercafé. A jornada da tocha rumo ao cume do Everest, na quinta-feira, foi transmitida ao vivo em canais públicos de TV da China, apesar de com um pequeno atraso. (Reportagem adicional de Gopal Sharma no Nepal e Claro Cortes na China)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.