Andrew Boyers/Reuters
Andrew Boyers/Reuters

Doping de atleta britânico tira prata olímpica de Tóquio da equipe de revezamento do Reino Unido

Exames apontaram a presença de ostarina e S-23, substâncias proibidas, na urina do atleta CJ Ujah; decisão faz Canadá assumir o segundo lugar no pódio, e China a ficar com o bronze

Redação, Estadão Conteúdo

19 de fevereiro de 2022 | 12h35

A Corte Arbitral do Esporte anunciou, na sexta-feira, que a equipe de revezamento 4x100 metros da Grã-Bretanha perdeu a medalha de prata conquistada nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021. O motivo foi a constatação de doping praticado pelo atleta CJ Ujah, situação que deixou seus companheiros arrasados, conforme afirmado por Richard Kilty, um dos integrantes do time, formado também por Zharnel Hughes e Nethaneel Mitchell-Blake.

"É simplesmente arrasador que colegas de equipe não tenham seguido as regras como o resto de nós. Estamos sofrendo por isso", afirmou Kilty em entrevista à rádio BBC. "A felicidade para mim era ganhar uma medalha olímpica e dar ela para meu filho levar para escola e dizer: ‘meu pai ganhou uma medalha na Olimpíada'", completou.

Exames realizados em amostras da urina de CJ Ujah apontaram a presença de ostarina e S-23, substâncias proibidas. O caso foi levado ao CAS em audiência realizada ainda em novembro do ano passado, mas a punição só foi confirmada nesta sexta. Após a decisão ser comunicada publicamente, o atleta divulgou uma nota dizendo que consumiu as substâncias sem intenção.

"Aceito a decisão emitida pelo tribunal de arbitragem do esporte hoje com tristeza. Gostaria de deixar claro que consumi um suplemento contaminado sem saber", afirmou. "Eu sinto muito que essa situação tenha custado aos meus companheiros as medalhas pelas quais eles trabalharam tão duro, e mereciam tanto. É algo de que vou me arrepender pelo resto da vida", completou.

Na prova em questão, o pódio terminou com a Itália em primeiro, a Grã-Bretanha em segundo e Canadá em terceiro. Com a decisão, os canadenses herdam a medalha de prata, enquanto a China, até então quarta colocada, sobe para terceiro e fica com o bronze.

A Associação Olímpica Britânica também se manifestou sobre o caso, pedindo desculpas aos adversários da equipe na competição. "Pedimos desculpas sem reservas aos atletas cujo momento foi perdido em Tóquio devido às ações de Ujah. Também estamos desapontados pelos três colegas de Ujah que, sem culpa, agora perderão suas medalhas de prata".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.