Esgrimista critica confederação e anuncia saída do time olímpico

Élora Ugo Pattaro, de 29 anos, é especialista no sabre e afirma não receber qualquer ajuda financeira para continuar seus treinamentos

O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2015 | 20h38

A esgrimista Élora Ugo Pattaro decidiu abandonar a equipe brasileira que se prepara para os Jogos Olímpicos do Rio, no ano que vem. Segundo a atleta, quarta do País no sabre, ela não recebe apoio da Confederação Brasileira de Esgrima (CBE) para competir, não tem patrocínio e fala sobre a corrupção no esporte.

Em um vídeo publicado no YouTube, a esgrimista de 29 anos diz que faz parte de um grupo de atletas que pediu satisfações à CBE sobre o investimento de recursos públicos. Mas ficou sem receber as respostas esperadas e, em represália, teria sido punida com o corte de recursos.

"Eu estou - ou pelo menos eu estava - na equipe de esgrima que está se preparando para a Olimpíada do Rio, em 2016. Eu não estou mais, eu estou saindo da equipe porque cheguei em um ponto em que me vi completamente sem ajuda, sem patrocínio, e a confederação cortou minhas competições", afirmou. 

"Apesar de eu não ser um atleta top, que iria ganhar uma medalha, ainda assim eu sei que a energia que eu coloco nisso alimenta tudo isso. Eu não quero representar o meu país dessa forma, amo meu país, mas eu tenho vergonha de competir pelo Brasil."

Na segunda-feira, o jornalista José Cruz publicou em seu blog, no UOL, que a CBE terá de devolver R$ 825 mil ao Ministério do Esporte. Durante dois anos, a entidade, não conseguiu colocar em execução um projeto de treinamento para atletas olímpicos. O valor equivale a 75% de um convênio assinado com a pasta em 2013.

Élora foi a primeira atleta do País a conquistar uma medalha em Mundiais de esgrima - foi prata no Mundial Cadete de 2003. Um ano depois, ela disputou a Olimpíada de Atenas, e chegou a desistir da vida esportiva. De volta à ativa em 2013, ela criou uma "vaquinha" virtual para conseguir dinheiro para treinar nos EUA. Sua meta era de R$ 5 mil, mas arrecadou R$ 8.824.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.