Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

'Esporte em ação' põe crianças da Vila Alexandria 'de pernas para o ar'

Diogo Silva passa os princípios básicos do tae kwon do

Fabio Hecico, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2016 | 15h03

Quem passou pela rua Palacete das Águias pela manhã certamente se assustou com aquela gritaria orquestrada. Era um tal de "ah", "ah" insistente que causava dúvidas. Do lado de dentro do EMEF Bernardo O'Higgins, cerca de 200 crianças mostravam empolgação com chutes no ar.

Sim, o 'Esporte em Ação' desta semana colocou todo mundo de pernas para o ar no zona sul de São Paulo. Sob orientação do 'professor' Diogo Silva, semifinalista olímpico em Atenas/2004 e Londres/2012, os alunos do 2°, 3° e 9° anos aprenderam alguns movimentos de tae kwon do.

 

Respeitando e compreendendo a percepção das crianças, sem exigências rígidas, Diogo Silva cativou a molecada do Bernardo O'Higgins. Numa aula descontraída, disposta a divertir e não de criar barreiras no esporte, ele mostrou aos jovens que é possível também se destacar nos esportes de menor visibilidade.

"Comecei aos 7anos e não tinha esse incentivo, essas aulas. Segui carreira porque era algo que sempre amei. Agora, espero mostrar a eles que os esportes não tradicionais, sem bola, também podem ser praticados", contou Diogo.

Pela aula descontraída e cheio de risos, o lutador viu que cativou novos adeptos à modalidade. Bastou a música tema de Rocky Balboa começar a tocar para o clima de luta dominar toda a escola. Ao som de "tam, tam, tam", a quadra,se transformou num grande ringue.

 

E, o melhor, com enorme disciplina e sem nenhum incidente. Todos obedeceram as ordens passadas pelo mestre. O grito com o chute, claro, foi o momento de êxtase.

Todos soltaram a voz para golpear o ar. E um querendo chutar mais alto que o outro. Diogo Silva, que foi aplaudido na chegada e ao demostrar alguma golpes básicos, aplaudiu tamanha dedicação.

 

Ele saiu feliz com o carinho recebido - ganhou muitos abraços dos pequenos e tirou fotos aos montes - e satisfeito por ter passado uma boa mensagem. Premiou os jovens lutadores com uma medalha, e depois guardou o quimono para um próximo evento. "Adoro fazer esse trabalho com crianças. Viajo o País passando essa lição e espero que todos se empenhem nos esportes."

Tudo o que sabemos sobre:
tae kwon do

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Crianças se empolgam, e futuro das lutas está garantido

Alunos já aspiram futuro nos esportes olímpicos

Fabio Hecico, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2016 | 15h10

Os olhinhos puxados lembram muito Vânia Ishii. Por ser a menor da turma, a comparação fica ainda maior. A judoca famosa também era a pequenina da seleção. No meio de muita gente grande, a baixinha Nathalia, de 8 anos, parecia a mais empolgada com a clínica de Diogo Silva.

Com disciplina de lutadores, ela seguia à risca as orientações do 'professor' de tae kwon do. Sempre com sorriso no rosto, esbanjando simpatia.

Apesar de as lutas não despertarem muito interesse nos jovens de hoje, a visita de Diogo Silva ao colégio Bernardo O'Higgins deixou uma certeza no ar: o futuro das lutas está garantido.

Com olhos brilhando e empolgação total, os pequenos alunos não tinham dúvida sobre o que serão quando crescer. "Eu vou ser lutadora de judô, gosto muito, vejo na tevê", afirmou Nathalia. "Mas não vou bater em ninguém aqui na escola", seguiu, inocente.

Alguns já queriam "bater em todo mundo". João Pedro, com o suor escorrendo no rosto após não parar de chutar o ar, como Diogo Silva ensinou, engrossava o coro de virar lutador.

"Estou gostando muito, olha meus chutes", falou, com os pés lá no alto. "Quando eu for grande vou lutar isso aqui (não soube falar tae kwon do) e jogar no Corinthians."

Outras futuras lutadoras são as amigas e xarás Emily, uma com duplo M e outra com L dobrado, como fizeram questão de frisar.

"Um amigo da minha irmã já está me ensinando a lutar, a dar socos, contou Emmily. "Vou lutar karatê, jiu jitsu e ganhar muitas outras medalhas", contou, exibindo a medalha que ganhou de Diogo. "É a segunda, já tinha uma que ganhei na escola."

A outra Emilly também estava empolgada com o mimo e já se vendo num pódio olímpico. Quando eu crescer vou ganhar ouro." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Teremos um grande destaque nas lutas na Olimpíada', aposta Diogo Silva

Lutador aposta na base formada nos últimos Jogos

Fabio Hecico, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2016 | 15h12

Diogo Silva se aposenta no fim da temporada. Fora da Olimpíada, ele garante que estará na torcida para a renovada seleção de tae kwon do e também para as outras modalidades de lutas no Rio. E aposta em belos resultados nos Jogos.

"Não arrisco um nome, mas teremos um grande destaque nas lutas nesta olimpíada", afirma, confiante que teremos conquistas em solo nacional.

 

Ele ficou perto duas vezes ao chegar em duas semifinais, em Atenas/2004 e Londres/2012. "Cheguei perto e ganhamos uma medalha em Pequim (bronze de Natália Falavigna). Agora, com time renovado e forte, as chances são boas. Além disse temos um time experiente no judô, um renovado no boxe e a Aline Silva que já levou a prata no mundial e chega bem na luta olímpica."

Diogo Silva ressalta que os atletas do País vêm fazendo bonito e estão sempre entre os 10 melhores do mundo.

 

"As lutas fizeram bonito nas últimas três olimpíadas e esse desempenho deve ser mantido. Ou até superado, a base é forte", diz. "Em 2016 a luta se destacará" aposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.