Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
John Locher / AP
John Locher / AP

Estrela da seleção australiana de basquete cita 'problemas de saúde mental' e desiste de Tóquio

Liz Cambage, que atua na WNBA, alegou ainda que tem preocupações com a perspectiva de um isolamento 'apavorante' na bolha contra a covid dos Jogos Olímpicos

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2021 | 14h30

Principal jogadora de basquete da Austrália, Liz Cambage anunciou nesta sexta-feira que não vai disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio. A atleta de 29 anos atestou problemas de saúde mental e, por isso, decidiu abrir mão da seleção neste momento. Ela afirmou que não poderia competir em alto nível no Japão ao mesmo tempo que sofre 'crises de pânico, sem dormir e sem comer.' 

No ano passado, ela já havia desistido de jogar a temporada da WNBA, Liga Nacional de Basquete Feminino dos Estados Unidos, que foi disputada em um sistema de bolha em Bradenton, na Flórida. "Realmente estava muito preocupada com a ideia de participar dos Jogos Olímpicos'em bolha", disse. 

A falta da família, dos amigos e da torcida também assusta a jogadora, que revelou problemas de saúde mental no passado. "Me quebra o coração anunciar minha baixa, mas acredito que é o melhor para as Opals (seleção australiana) e para mim mesma", afirmou Cambage em um comunicado.

Ryan Broekhoff, jogador da equipe masculina de basquete da Austrália, anunciou em junho que também não viajaria a Tóquio pelo mesmo motivo. Nesta sexta, o tenista Alex de Minaur, 17º no ranking da ATP, testou positivo para coronavírus e é mais um a desfalcar a delegação australiana nos Jogos. "No momento, estou bem longe de onde eu quero e preciso estar". Ela ainda disse que  precisa cuidar de si "mentalmente e fisicamente". 

A desistência de Cambage acontece em meio a relatos de um incidente durante o aquecimento da seleção australiana para o amistoso contra a Nigéria, em Las Vegas. A equipe escolheu a cidade para fazer treinos pré-Olimpíada e, ao que parece, a jogadora esteve envolvida em uma briga física, assim como em uma "troca verbal carregada", segundo a ESPN. Não se sabe se o desentendimento ocorreu com uma companheira ou uma adversária. Além disso, foi noticiado que ela quebrou os protocolos de covid-19 para sair em Vegas e protagonizou outro incidente que ainda não se tornou público. 

No final de maio, a atleta foi alvo de um comentário ofensivo feito pelo técnico e gerente geral do Connecticut Sun, Curt Miller. Em seu perfil no Instagram, Cambage detalhou a situação, dizendo que Miller tentou conseguir uma falta para seu time dizendo algo como: "Qual é, ela pesa 300 pounds". Pounds é a medida usada para peso nos Estados Unidos. Em resposta, a pivô de 2,08 m disse que "nunca deixará um homem a desrespeitar, especialmente um que é pequeno e branco". Dias depois do caso, o técnico do Sun pediu desculpas pela atitude.

No começo do ano, a filha de pai nigeriano e mãe australiana, havia ameaçado não participar dos Jogos, por conta da falta de diversidade racial nas fotos promocionais publicadas pelo Comitê Olímpico Australiano. O órgão reconheceu seu erro e prometeu consertar as publicidades para refletir a diversidade de seus atletas. Bronze em Londres 2012, Cambage é a recordista de pontos em uma partida da WNBA, com 53.

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíada 2020 Tóquiobasquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.