Etiópia aguenta pressão e mantém Kenenisa Bekele fora da Olimpíada

Kenenisa Bekele deverá ser uma das ausências mais sentidas nos Jogos Olímpicos do Rio. O etíope, que há 12 anos é o recordista mundial dos 5.000m e dos 10.000m no atletismo, não virá mesmo ao Brasil. Nesta quarta-feira, o presidente da federação etíope concedeu entrevista coletiva para garantir que a entidade não mudará de postura para convocar o veterano de 33 anos, mesmo após um grande protesto que reuniu mais de 100 atletas, incluindo o próprio Bekele, na terça-feira.

Estadão Conteúdo

08 de junho de 2016 | 20h59

A Etiópia, assim como o Quênia, tem um sem número de atletas com índice para os Jogos Olímpicos do Rio na maratona. Como seus melhores fundidas montam seus calendários de acordo com as bolsas que recebem para as grandes provas, os dois países não convocam a partir exclusivamente do cronômetro, como faz o Brasil.

Para a surpresa geral, a Etiópia optou por deixar Bekele fora da lista de três convocados, listando-o como reserva. Dono de três ouros e uma prata olímpica, medalhas conquistadas nos 5.000m e nos 10.000m em Atenas e Pequim, ele estreou em maratonas em 2014, vencendo em Paris (França). Não só bateu o recorde da prova como fez a melhor estreia em todos os tempos, com a marca de 2h05min04s.

Ele ainda foi segundo em Chicago (EUA), em 2014, e em seguida se machucou. Bekele só voltou às competições em abril, em Londres (Inglaterra), longe da forma ideal e com meras seis semanas de preparação. Mesmo assim, foi terceiro. Um feito e tanto para a comunidade esportiva, mas não para a federação etíope.

Ele tem um grande lugar na história do nosso atletismo, mas falhou em se qualificar a partir das nossas exigências. Essa é uma decisão final e não vai haverá uma nova chance para os resultados da maratona. A gente não pode mudar o critério de novo para convocá-lo só porque ele é o Kenenisa. A gente lamenta, mas não é possível", disse Alebachew Nigusse.

Os critérios para a definição da equipe da Etiópia incluíam vitórias em grandes maratonas, o resultado no Mundial do ano passado, além do melhor tempo nos últimos dois anos.

Como ficou parado por mais de um ano, Bekele não se encaixou nos critérios. Na terça, ele e mais de 100 atletas, incluindo o astro Haile Gebrselassie (de quem ele tomou os recordes mundiais), protestaram em frente ao Estádio Nacional em Addis Ababa. A reclamação é que a entidade demorou a anunciar os critérios de seleção. Quando o fez, já era tarde para que os atletas levassem em consideração isso essas informações para montarem seus calendários.

Bekele ameaça não competir mais pela Etiópia, mas ainda não é possível assegurar que ele não estará na Olimpíada do Rio. Recordista mundial, ele ainda poderia obter índices nas provas de pista. Em Londres, o astro ficou em quarto nos 10.000m.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.