Aris Messinis/ AFP
Aris Messinis/ AFP

Após susto, EUA atropelam Austrália no basquete masculino e vão à 4ª final olímpica seguida

Americanos esperam por França ou Eslovênia, que jogam ainda nesta quinta-feira

Redação, Estadão Conteúdo

05 de agosto de 2021 | 03h38

A zebra parecia aparecer nesta quinta-feira na Olimpíada de Tóquio. A Austrália conseguiu abrir uma boa vantagem diante dos Estados Unidos na semifinal do basquete masculino, mas o "Dream Team" não é chamado assim à toa. A exemplo de outras partidas, os americanos se recuperaram, dispararam no marcador e puderam até descansar no último quarto. No fim, vitória tranquila por 97 a 78 que garantiu aos americanos vaga na decisão. Vai brigar pelo ouro.

Os Estados Unidos ostentam 15 ouros em Jogos Olímpicos e buscam o quarto consecutivo. Na final, marcada para sábado, às 8h (de Brasília), vão enfrentar França ou Eslovênia, que duelam ainda nesta quinta. Quem perder, disputa o bronze com a Austrália.

A remontada do genial time americano aconteceu muito graças à exibição de Kevin Durant. O astro do Brooklyn Nets foi decisivo com 23 pontos. Foi o cestinha da partida em Saitama e o principal responsável pela virada protagonizada no começo do segundo tempo. Devin Booker anotou 20 pontos e também teve atuação de destaque.

O jogo começou com um domínio tão grande da Austrália que houve a impressão de que a hegemonia dos Estados Unidos seria derrubada. Os australianos conseguiram bloquear o garrafão e, ao forçar o chute de 3 do rival, viram sua estratégia dar certo. Venceram o primeiro quarto por 24 a 18 e desceram ao vestiário para o intervalo com um triunfo parcial de 45 a 42. Naquela altura, a diferença caiu porque os americanos já haviam encaixado seu jogo e começado a reagir.

Na volta do intervalo, os Estados Unidos deram sequência à reação e ao aproveitamento da queda de desempenho do adversário para tomar frente no placar e caminhar com tranquilidade para a vitória. A equipe americana, liderada por Kevin Durant, fez um jogo praticamente perfeito a partir do terceiro quarto e foi beneficiada por uma sequência de erros ofensivos que minou a confiança da seleção australiana.

O último quarto foi praticamente protocolar e disputado em ritmo de treino para os EUA, que pouparam seus jogadores já pensando na final de sábado, já que haviam terminado o terceiro quarto vencendo por 19 pontos de frente (74 a 55). A vantagem foi ampliada mesmo sem Durant e outros titulares e o placar terminou em 97 a 78.

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíada 2020 Tóquiobasquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.