EUA garantem liderança de chave e pegarão Brasil no polo aquático feminino

Seleção do País ficou na última colocação do Grupo A

Estadão Conteúdo

13 Agosto 2016 | 18h51

Poucas horas depois de ser derrotada pela Austrália por 10 a 3 e fechar a primeira fase do polo aquático feminino na lanterna do Grupo A dos Jogos Olímpicos do Rio na modalidade, a seleção brasileira soube neste sábado que terá de encarar os Estados Unidos nas quartas de final da competição.

Em uma competição no qual todas as oito seleções participantes avançam às quartas de final e a primeira fase serve apenas para definir as posições das classificadas, o Brasil acumula três derrotas em três jogos até aqui e irá encarar as favoritas norte-americanas em duelo às 18h20 de segunda-feira.

Os Estados Unidos conquistaram três vitórias fáceis em três jogos e garantiram a ponta do Grupo B com uma vitória por 11 a 6 sobre a Hungria em outro jogo realizado neste sábado.

Já a Espanha, que também entrou na rodada final da primeira fase com chances de assumir a ponta do Grupo B, superou a China por 12 a 8 e terminou na vice-liderança, com quatro pontos, logo à frente das húngaras, em terceiro lugar com dois pontos. As chinesas, que assim como o brasileiras ainda não pontuaram, fecharam este estágio do torneio olímpico na lanterna da chave.

Por isso, a China terá de encarar nas quartas de final a Itália, que assegurou a ponta do Grupo A, com seis pontos, ao bater a Rússia por 10 a 5 em outro confronto deste sábado. As australianas terminaram em segundo lugar, com quatro pontos, enquanto as russas ficaram em terceiro, com dois.

Assim, a Austrália irá pegar a Hungria nas quartas de final e quem vencer este confronto medirá forças contra as ganhadoras da partida entre Brasil e Estados Unidos nas semifinais. Já a Rússia enfrentará a Espanha no outro duelo destas quartas de final do polo aquático feminino. Quem levar a melhor neste confronto pegará nas semifinais as vencedoras da partida entre italianas e chinesas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.