Alex Ferro/Rio 2016
Alex Ferro/Rio 2016

Evento-teste de canoagem slalom no Rio atrai campeão olímpico

Daniele Molmenti vai competir em disputa internacional, que tem como destaque entre os brasileiros a canoísta Ana Sátila

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2015 | 07h05

Com 128 atletas de 27 países, começa nesta quinta-feira no Complexo Esportivo de Deodoro, que receberá algumas modalidades dos Jogos Olímpicos de 2016, o Desafio Internacional de Canoagem Slalom. Entre as estrelas está o campeão olímpico do K1, o italiano Daniele Molmenti. A grande ausência é a australiana Jessica Fox, prata nos Jogos de Londres e uma das melhores canoístas da atualidade.

Para a brasileira Ana Sátila, melhor atleta do País, o nível da competição será alto. “Independente de faltar uma atleta ou outra, acho que será muito concorrido. Os melhores vieram, tem campeão olímpico, vai ser disputado e vou tentar chegar perto dos melhores aqui”, diz a garota, feliz por competir em casa. “É uma sensação muito melhor. Estou no meu país, com as pessoas que conheço, a família por perto apoiando, é muito diferente. Estou muito feliz.”

O canal de canoagem slalom tem sido bastante elogiado pelos competidores. Segundo Rodrigo Garcia, diretor de esportes do Rio-2016, o evento testará principalmente a área de competição e os voluntários específicos da modalidade. “Já tivemos mais de mil descidas no canal, a instalação tem ainda o lago, as esteiras de acesso, e o evento testará tudo isso”, diz.

Ele explica que o canal possui dois elementos, os blocos azuis onde se consegue modular a correnteza, e as portas, que são onde os atletas precisam passar para respeitar o percurso. “No evento-teste o atleta consegue conhecer como a água se comporta. No próximo ano, vamos abrir a instalação mais algumas vezes para que os atletas possam treinar, mas na Olimpíada o percurso muda, para ter uma surpresa. Essa é a vantagem de um canal artificial.”

Nos últimos dias os competidores puderem treinar no local e a expectativa para a disputa é grande. “A gente já fez um bom trabalho até agora, faz mais de uma semana que estamos treinando aqui, já deu para conhecer bem a pista, que é maravilhosa. Acho que é uma das melhores que já remei. A gente tem essa vantagem de poder treinar antes dos outros atletas e agora é só fazer o trabalho e colocar em prática na hora da prova”, conclui Ana Sátila.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.