Valentyn Ogirenko/ Reuters
Valentyn Ogirenko/ Reuters

Exame aponta entorse, e Macris vira dúvida na seleção de vôlei na Olimpíada de Tóquio

Levantadora se lesionou durante a partida com o Japão e realizou exames de imagem nesta sexta-feira

Redação, Estadão Conteúdo

30 de julho de 2021 | 03h00

Os exames da levantadora Macris tranquilizaram a comissão técnica da seleção brasileira feminina de vôlei. Na madrugada desta sexta-feira, pelo horário brasileiro, a ressonância magnética feita pela jogadora apontou uma entorse no tornozelo direito, lesão considerada mais leve e que afasta qualquer risco de corte na equipe.

De acordo com o médico da seleção feminina, Júlio Nardelli, "a jogadora está respondendo muito bem ao tratamento fisioterápico com o fisioterapeuta Fernando Fernandes e seguirá sendo avaliada diariamente".

Macris se machucou durante o terceiro set contra o Japão na noite de quinta, pelo horário local, na Ariake Arena. Sem conseguir ficar em pé, foi carregada até o banco de reservas, onde começou a receber o atendimento médico e aplicação de bolsas de gelo no tornozelo direito.

Antes mesmo do exame, o médico da seleção já informara que a levantadora fazia o tratamento de fisioterapia e estava em observação. Como a lesão foi menos grave do que o imaginado, Macris virou dúvida para a próxima partida, mas tem chances de voltar a jogar nesta Olimpíada.

Após vencer as japonesas por 3 a 0, o Brasil terá a Sérvia como próxima adversária, às 4h25 (de Brasília) deste sábado. Na última edição olímpica, no Rio de Janeiro, em 2016, a seleção feminina ficou em quinto lugar. O País tem dois ouros e dois bronzes no vôlei feminino em Olimpíadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.