Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

'Faltou um pouquinho' de coração e vontade à natação do País, diz Thiago Pereira

Nadadores decepcionam nos Jogos até o momento

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

13 Agosto 2016 | 17h24

Um dos principais nomes da natação brasileira na história dos Jogos Olímpicos, Thiago Pereira disse neste sábado que "faltou um pouquinho" de coração e vontade para a equipe brasileira que disputou as provas de natação no Rio-2016.

O País não conquistou nenhuma medalha, e Etiene Medeiros, que fará a final dos 50 metros livre na noite deste sábado, tem poucas chances de pódio, assim como a equipe masculina do revezamento 4x100 metros medley. Sétimo colocado nos 200m medley, após cruzar os primeiros 150m entre os líderes, Thiago afirmou ainda que cansou no trecho final porque nadou pelo ouro, e não apenas por uma medalha.

Questionado sobre o desempenho da equipe brasileira, Thiago deixou nas entrelinhas que faltou um esforço maior. "Eu sei do que eu fiz. Por ser um esporte individual, cada um sabe o que fez de verdade. Eu me preparei, ralei pra caramba, fui pra cima e não deu. Dei meu máximo, mas acho que o importante não é só a gente dar o máximo. Tem horas que é preciso nadar com coração, com vontade, tudo. Isso eu acredito que faltou um pouquinho (à equipe)", disse o nadador, em um hotel na zona sul da cidade.

Thiago Pereira era aposta de medalha nos 200m medley, única prova que disputou. Na quinta, fez os primeiros 150 metros brigando pelo ouro, mas cansou na última parte da prova e acabou apenas em sétimo. Mesmo assim, ele afirmou neste sábado que não faria nada de diferente.

"Eu fui pra cima do Michael (Phelps). Em casa, com todo aquele calor da torcida, eu passei forte os primeiros 100 metros, acho que foi o mais forte que eu já fiz. O próprio Ryan (Lochte, que acabou a prova em quinto) fez o mesmo. A gente foi pra cima e ele (Phelps) segurou. A gente cansou muito no final, eu morri totalmente. Não tinha mais nada. Os últimos 15 metros eu achei que eu não ia chegar, que eu ia parar, porque eu não conseguia rodar mais o braço", explicou Thiago.

O nadador afirmou ainda que entrou na piscina em busca do ouro, mesmo que para isso precisasse superar a lenda Michael Phelps. "Temos que arriscar, e o mais legal é que todo mundo viu. Ontem (sexta) um amigo meu disse 'cara, você foi pra cima do melhor cara da história, do maluco'. Ele (Phelps) é totalmente fora do planeta. Faz parte, mas eu não mudaria minha estratégia. Eu teria que nadar pra prata ou pro bronze, e eu não caí pra nadar pra prata ou pro bronze. Eu caí para tentar fazer uma coisa que, se desse certo, ia ser única."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.