Satiro Sodré/Cbda
Satiro Sodré/Cbda

Família da medalhista Ana Marcela faz festa no desembarque da atleta no Brasil

Campeã da maratona aquática nos Jogos de Tóquio chegou neste fim de semana com batucadas, cartazes e muito verde e amarelo

Redação, O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2021 | 16h30

O desembarque da nadadora Ana Marcela Cunha no Brasil foi caloroso. A família da atleta, medalha de ouro na maratona aquática nos Jogos Olímpicos de Tóquio, recebeu a baiana neste final de semana no Rio de Janeiro, onde ela concedeu entrevista coletiva.

Nas redes do Time Brasil, um vídeo mostra a torcida no aeroporto com cartazes, música e muito verde e amarelo.

A vitória olímpica da nadadora teve um gosto especial após superação de problemas na saúde. Ana Marcela completou a distância de 10 km em 1h59min30s8 no mar. "A sensação é excelente é muito boa, eu estou tremendo até agora", comentou Ana Patrícia Cunha, mãe da medalhista, emocionada.

Da largada para os 10km até a linha de chegada foram 1h59min30s8. Durante toda a prova, Ana Marcela se manteve entre as primeiras colocadas e, restando pouco mais de 1km para o final, imprimiu um ritmo forte, abrindo vantagem para a holandesa Sharon van Rouwendaal, campeã olímpica no Rio-2016, que ficou com a prata na Odaiba Marine Park.

"Na vida de todo atleta, a gente sempre vem de persistência. Seja de 13 anos ou dois, três anos. Não importa. Todo mundo passa por altos e baixos", declarou a nadadora em coletiva já no CT do Time Brasil. Referência para novas gerações, a medalhista reforçou a necessidade de sempre acreditar que é possível. "O resultado uma hora tinha que vir", comemorou com a primeira medalha olímpica.

Persistência e confiança. Essas foram as palavras mais usadas por Ana Marcela Cunha na entrevista coletiva realizada neste sábado, no CT do Time Brasil, no Rio de Janeiro, pouco depois de sua chegada. O ouro na maratona aquática era a medalha que faltava à baiana, um título sonhado e perseguido desde Pequim-2008, construído ao longo dos anos, apoiado na maturidade e na segurança do trabalho feito com o técnico Fernando Possenti.

Possenti exaltou a capacidade da estrutura do Brasil de trabalhar para medalhas dentro do próprio país. "Nós somos ouro da casa". Ana Marcela ainda ressaltou o bom desempenho das atletas mulheres nesta edição dos Jogos Olímpicos de Tóquio. "Fico muito feliz por fazer parte desta edição da Olímpica onde as mulheres conseguiram conquistar mais ouros".   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.