Ivan Alvarado/ Reuters
Ivan Alvarado/ Reuters

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan vencem última regata antes de final da vela na Olimpíada

Combinação de resultados permite que dupla feminina da classe 470 siga sonhando com medalha de bronze

Redação, Estadão Conteúdo

03 de agosto de 2021 | 04h22

Após a medalha de ouro conquistada por Martine Grael e Kahena Kunze na classe 49er FX da vela nos Jogos de Tóquio, Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan também foram para a água em Enoshima e venceram a última regata antes da medal race da classe 470. Assim, a dupla subiu para a quinta posição na classificação geral, com chances matemáticas de brigar por medalha. Já Henrique Haddad e Bruno Bethlem ficaram fora da disputa masculina da mesma classe.

Antes da vitória, Fernanda e Ana participaram da penúltima regata e terminaram na oitava colocação, em disputa que terminou com as espanholas Silvia Depares e Patrícia Cantero na liderança. Na prova seguinte, a dupla do Brasil dominou desde o início e abriu vantagem sobre as holandesas Afrodite Zegers e Lobke Berkhout para comemorar a segunda regata vencida em Tóquio.

"A gente ficou feliz com o dia de hoje. Os Jogos Olímpicos são especiais, onde a gente comete erros e acaba perdendo pontos importantes ao longo dessas dez regatas, mas o dia de hoje foi muito bom para nós. Ganhamos duas regatas de dez, nos acertamos no grupo da frente, fechando essa fase em quinto lugar. A gente está feliz com nosso desempenho e vamos tentar amanhã fazer o melhor que podemos, matematicamente temos chance, mas não depende só do nosso desempenho", comentou Fernanda Oliveira após a prova.

Agora com 62 pontos perdidos, na quinta colocação, as brasileiras se garantiram entre as dez duplas que avançam à medal race, a regata da medalha, que tem previsão para começar na quarta-feira, às 03h30, pelo horário de Brasília. Acima delas, estão as duplas da Grã-Bretanha, da França, da Polônia e da Eslovênia. Para tentar o bronze, elas vão precisar vencer e torcer para Polônia e Eslovênia ficarem na parte de baixo da tabela.

Caso as combinações favoreçam as brasileiras, Fernanda conseguirá sua segunda medalha olímpica, já que foi bronze nos Jogos de Pequim, em 2008, último ano em que formou dupla com Isabel Swan, antes de se juntar a Ana Luiza Barbachan. Juntas, elas ficaram em sexto na Olimpíada de 2012, em Londres, e terminaram em oitavo no Rio, em 2016.

470 MASCULINO

Na disputa masculina da classe 470, Henrique Haddad e Bruno Bethlem, que estão participando de uma Olimpíada pela segunda vez, tiveram desempenho melhor do que em 2016, quando ficaram com a 23ª colocação, e se despediram dos Jogos de Tóquio em 16º lugar. A dupla terminou a última regata em 14º lugar e não conseguiu a classificação para a medal race.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.