Reuters/Stoyan Nenov
Reuters/Stoyan Nenov

Fernando Reis se defende após caso de doping: 'Sou um dos atletas mais testados'

Halterofilista brasileiro está suspenso provisoriamente dos Jogos de Tóquio após teste positivo

Redação, Estadão Conteúdo

18 de julho de 2021 | 16h56

Suspenso provisoriamente por doping às vésperas dos Jogos Olímpicos de Tóquio, Fernando Reis quebrou o silêncio dois dias após o anúncio da suspensão e usou o Facebook para se manifestar pela primeira vez sobre o assunto. Em texto publicado na rede social, o atleta do levantamento de peso se defendeu dizendo que já havia feito mais de dez exames nos últimos meses, sem teste positivo para nenhuma substância ilegal até a divulgação do último resultado.

Feita no dia 11 de junho, a testagem que rendeu a suspensão apontou o uso de hormônio de crescimento, enquadrado no grupo S2 do Código Mundial Antidoping. O resultado positivo foi anunciado na última sexta-feira, quando o Comitê Olímpico do Brasil (COB) comunicou que o pesista estava excluído da delegação brasileira.

"Olá amigos. Posso afirmar que sou um dos atletas mais testados do mundo. Nos últimos meses, fiz mais de dez exames e todos sem problemas. Espero que isso seja esclarecido o mais breve possível com a ajuda do dr. Marcelo Franklin, (advogado) especialista em casos de doping, que assumiu o meu caso. Vamos aguardar os próximos acontecimentos", escreveu o atleta.

Atual tricampeão dos Jogos Pan-Americanos, Fernando competiria no Japão no dia 4 de agosto, dentro da categoria acima de 109kg, e era considerado uma das esperanças de medalha para o Brasil. Em 2016, no Rio de Janeiro, ele ficou com a quinta colocação.

Além disso, o atleta foi bronze no Mundial de levantamento de peso, em 2018, e se tornou o primeiro brasileiro a conquistar uma medalha na competição. Na ocasião, terminou em quarto lugar, mas ganhou uma posição após o usbeque Rustam Djangabaev ser desclassificado oficialmente por doping.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.