Satiro Sodré/Cbda
Satiro Sodré/Cbda

Fernando Scheffer brilha nos 200m livre e fatura bronze na Olimpíada

Brasileiro só ficou atrás da dobradinha britânica, formada por Tom Dean e Duncan Scott, que era o grande favorito

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2021 | 23h01
Atualizado 26 de julho de 2021 | 23h25

O brasileiro Fernando Scheffer surpreendeu na noite desta segunda-feira, pelo horário de Brasília, ao faturar a medalha de bronze na prova dos 200 metros livre nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O nadador gaúcho, da cidade de Canoas (RS), não estava entre os favoritos, mas cresceu nos metros finais e conquistou o terceiro lugar, com o tempo de 1min44s66.

Ele só ficou atrás da dobradinha britânica, formada por Tom Dean e Duncan Scott, que era o grande favorito. Os medalhistas de ouro e prata completaram a distância em 1min44s22 e 1min44s26. Scheffer registrou o melhor tempo de sua carreira, cravando o novo recorde brasileiro e sul-americano da prova. Nas semifinais, ele havia anotado 1min45s71.

"Não pensei em tempo ou colocação. Só queria fazer a minha prova. Tentar colocar na água tudo o que treinei e nadar feliz, em cada braçada, aproveitando cada metro. É uma sensação muito especial. Parece que eu estou sonhando ainda", disse o novo medalhista brasileiro, em entrevista ao canal SporTV. 

"A gente sempre se prepara pensando na medalha, mas eu tento, quando chega na competição, tirar toda a cobrança possível. Nadar sem me cobrar, sem querer me botar essa pressão de resultado. Nado querendo fazer o meu melhor na hora. E realmente é muito difícil colocar isso na hora certa. Mas treinamos para isso e conseguimos fazer na hora que era para fazer", declarou.

O brasileiro nadou na raia número 8, a pior da piscina por sofrer mais com as ondulações criadas pelos demais nadadores. Mesmo assim, ele manteve um bom ritmo desde o começo da prova, apesar de ser conhecido por fazer inícios mais lentos e finais mais explosivos nesta distância.

De fato, ele aumentou o ritmo nos últimos 50 metros e fez duelo parelho com os rivais britânicos. A prova foi decidida na batida da mão, com ligeira vantagem para os nadadores ingleses. Com o resultado, conquistou a primeira medalha da natação brasileira em Tóquio, encerrando um jejum que durava desde os Jogos de Londres-2012. Isso porque o Brasil ficou sem pódio na modalidade no Rio-2016. 

Aos 23 anos, Scheffer faz sua estreia em Olimpíadas na capital japonesa. No Rio-2016, o índice olímpico não veio por apenas 80 centésimos. Mais maduro, ele fez valer a experiência adquirida no novo ciclo olímpico. Em 2018, no Mundial de Hangzhou, na China, participou do revezamento 4x200 metros livre que bateu o recorde mundial de piscina curta e faturou o ouro. Em Tóquio, ele já chegou como o dono do recorde sul-americano da prova, que voltou a superar nesta segunda-feira. 

Com a medalha de bronze, o nadador aumentou o número de pódios do Brasil nesta Olimpíada. Agora são quatro medalhas, sendo duas de bronze e duas de prata, ambas conquistadas no skate. Rayssa Leal e Kelvin Hoefler brilharam no street no domingo e no sábado. E no mesmo domingo o judoca Daniel Cargnin levou o bronze, também em sua estreia em Olimpíadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.