Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Reprodução / Instagram
Reprodução / Instagram

Fotógrafo com deficiência visual registra eventos esportivos na Paralimpíada

'Não preciso ver para fotografar, tenho os olhos do coração', disse João Maia

Estadão Conteúdo

15 de setembro de 2016 | 12h06

A Paralimpíada é sinônimo de superação, não só dentro das quadras e pistas. João Maia, de 41 anos, é um fotógrafo cego e está cobrindo os Jogos Paralímpicos.

João Maia perdeu a visão aos 28 anos decorrente de uma uveíte, doença inflamatória nos olhos. A deficiência faz com que o fotófrafo enxergue apenas vultos e algumas cores. Antes disso, Maia era carteiro e por conta de sua doença começou a usar bengala e ler em braile.

Foi em 2008 que João Maia começou sua carreira como fotógrafo profissional. Porém, a Paralimpíada é o primeiro que cobre. Antes disso, trabalhou apenas em eventos testes e competições de menores expressões. No começo, o fotógrafo utilizava uma câmera padrão, porém com o tempo foi se modernizando e hoje usa uma celular de última geração que o auxilia em questões como foco e luminosidade.

"Não preciso ver para fotografar, tenho os olhos do coração", disse João Maia à agência de notícias AFP. O fotógrafo inclusive tem conta nas redes sociais onde compartilha algum de seus trabalhos. "Sem eles, não poderia fazer nada. São eles que me ajudam com a edição, que eu não poderia fazer, que postam as fotos nas redes sociais", explicou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.