Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ludovic Marin/AFP
Ludovic Marin/AFP

França testa sistema antidrone movido a laser para as Olimpíadas de 2024

Intenção do governo é usar a tecnologia para proteger o país nos Jogos de Paris

Redação, Reuters

07 de julho de 2021 | 16h49

PARIS - O exército da França testou nesta quarta-feira, dia 7, um canhão movido a laser para destruir drones. A intenção do governo é usar a tecnologia para proteger o país nos Jogos Olímpicos de Paris em 2024

O Ministério das Forças Armadas disse que o teste, conduzido perto da costa atlântica no sudoeste francês, foi o primeiro na Europa, acrescentando que os Estados Unidos e Israel também estão trabalhando em armas semelhantes, inspiradas no filme Guerra nas Estrelas.

A França planeja usar o sistema, desenvolvido pela startup local Cilas com fundos públicos, para proteger bases militares e usinas nucleares, assim como grandes eventos, contra pequenos drones voando baixo que podem escapar da detecção de radar.

"Nosso objetivo é ter um sistema totalmente operacional a tempo para os Jogos Olímpicos de Verão de 2024", disse um porta-voz do ministério.

O protótipo testado na quarta-feira pode detectar drones comerciais leves a uma distância de até 3 km (1,8 milhas), rastreá-los e destruí-los assim que se aproximarem a 1 km do canhão.

Seu raio laser é um milhão de vezes mais poderoso do que o usado por leitores de código QR, disse o ministério.

"Precisamos nos adaptar a uma ameaça em constante mudança e à capacidade cada vez maior dos drones de escapar de dispositivos de interferência ou escudos convencionais de mísseis", disse o porta-voz do ministério.

O ministério disse que também lançou licitações para o desenvolvimento de um canhão de ondas magnéticas e drones interceptores devido à crescente ameaça de ataques com enxames de drones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.