Rio2016/ Divulgação
Rio2016/ Divulgação

Francesa é punida e Poliana herda o bronze na maratona aquática

Brasileira, que terminou prova em 4ª, foi beneficiada com decisão dos árbitros

Demétrio Vecchioli e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2016 | 11h35

A brasileira Poliana Okimoto foi beneficiada por uma punição à francesa Aurélie Muller e herdou a medalha de bronze na maratona aquática da Olimpíada do Rio. Na prova desta segunda-feira pela manhã, a dona da casa havia chegado somente na quarta colocação, mas viu a rival, que havia terminado em segundo, ser desclassificada momentos após o fim da prova e, com isso, ganhou um lugar no pódio.

Depois de brigar pelas primeiras posições e ficar para trás das três líderes na reta final, Poliana bateu na quarta posição, bem atrás da campeã, a holandesa Sharon van Rouwendaal. A briga pela segunda colocação foi intensa e Muller, aparentemente, havia levado a melhor ao chegar na segunda colocação, deixando para trás a italiana Rachele Bruni.

Só que a alegria da francesa durou pouco. Minutos depois da chegada, a direção da prova avaliou o momento em que Muller bateu na segunda colocação e considerou que a atleta havia agido de forma ilegal contra Bruni. Com isso, ela foi excluída, a italiana subiu para a segunda posição e o bronze caiu no colo de Poliana.

A medalha serve como uma redenção para Poliana Okimoto. Nos Jogos de Londres, há quatro anos, ela sofreu hipotermia na prova de maratona aquática e desistiu da prova. Na saída, ainda acabou desmaiou e foi levada de cadeira de rodas para o ambulatório da competição, que foi disputada no lago Serpentine, no Hyde Park.

Aos 33 anos, Poliana era uma atleta das piscinas, acostumada às provas mais longas, mas acabou migrando para a maratona aquática, onde obteve sucesso. Em 2007, no Pan do Rio de Janeiro, ficou com a prata na prova de 10 km. Nos Jogos de Pequim, no ano seguinte, foi bem, mas ficou fora do pódio, em sétimo lugar.

Aos poucos ela foi tendo resultados expressivos, como o título da Copa do Mundo em 2009, quando venceu 9 das 11 etapas da competição. No mesmo ano, no Mundial de Esportes Aquáticos, ficou com o bronze na prova de 5 km e em sétimo nos 10 km. No Pan de 2011, em Guadalajara, foi prata novamente.

Seu auge foi no Mundial de 2013, quando subiu ao pódio diversas vezes. Foi prata nos 5 km, com Ana Marcela conquistando o bronze, foi ouro nos 10 km, com a amiga levando a prata, e foi bronze por equipes. Já no Mundial do ano passado, ficou na sexta colocação na prova de 10 km, bem perto do pódio.

A medalha é a sétima do Brasil no Rio-2016, a primeira no mar e a primeira na água. Antes de Poliana, foram ao pódio Rafaela Silva (ouro no judô), Diego Hypolito (prata na ginástica), Felipe Wu (prata no tiro), Rafael Silva, Mayra Aguiar (ambos bronze no judô) e Arthur Nory Mariano (bronze na ginástica artística). Além disso, há pelo menos uma prata garantida para Robson Conceição, no boxe, e um bronze assegurado no vôlei de praia feminino.

O mar ainda pode dar mais medalhas para o Brasil nesta segunda-feira, com Robert Scheidt, na classe Laser da vela. Ele vai disputar a medal race e só tem chance do bronze. Na terça-feira, Allan do Carmo tentará surpreender os favoritos na prova masculina da maratona aquática. Já da água doce podem vir outro pódio na Lagoa Rodrigo de Freitas, onde Isaquias Queiroz briga na final do C1 1.000m na canoagem velocidade.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.