Franceses são proibidos de usar broche na Olimpíada

Comitê local usa como argumento o estatuto do COI, que proíbe manifestos políticos nos eventos da entidade

Agência Estado

15 de abril de 2008 | 11h20

O presidente do Comitê Olímpico Francês, Henri Serandour, proibiu os atletas franceses de usarem um broche na Olimpíada de Pequim com a inscrição "Por um Mundo Melhor". Serandour utilizou o Estatuto do Comitê Olímpico Internacional, que proíbe qualquer tipo de "demonstração ou política, religiosa our propaganda racial", para justificar a proibição.O anúncio de Serandour irritou atletas e dirigentes, inclusive o Ministro dos Esportes, Bernard Laporte. "Primeiro, eu não acho o broche muito agressivo. Não ataca nem a China nem ninguém", disse. "O broche foi uma expressão dos atletas franceses e eu acho lamentável que eles proíbam o uso dele.Os atletas franceses têm sido severos críticos das violações dos direitos humanos na China, e tiveram a idéia do broche depois da repressão chinesa aos protestos no Tibete, em março. Eles argumentam que a frase "Por um Mundo Melhor" seria a maneira deles de mostrar apego aos valores olímpicos, que eles acusam a China de não respeitar.Robert Menard, presidente do grupo de jornalistas Repórteres Sem Fronteiras, classificou a decisão anunciada por Serandour como covarde. "Que falta de coragem", disse. O grupo tem incentivado um boicote na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, em 24 de agosto. 

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008Olimpíadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.