Gana impede futebol feminino do Brasil de respirar Olimpíada

A seleção feminina de futebol doBrasil, forte candidata a conquistar medalha em Pequim, tem umabarreira chamada Gana à sua frente que impede a equipe de vivero clima dos Jogos Olímpicos de agosto. Apesar de serem atuais vice-campeãs olímpica e mundial, asbrasileiras terão de disputar uma repescagem em partida únicacontra a seleção africana, no dia 19 de abril, para tentar avaga olímpica. O jogo será na capital chinesa, mas as atletasgarantem que o pensamento ainda está longe da Olimpíada. "Nós ainda não estamos respirando Olimpíada, nos estamosrespirando 90 minutos contra Gana que serão disputados emPequim. Só estamos pensando nesse jogo", disse à Reuters naquarta-feira o técnico da seleção brasileira, Jorge Barcellos,que prepara o time desde 19 de março na Granja Comary, emTeresópolis, para a partida com as africanas. Com um time desfalcado das principais jogadoras, o Brasilperdeu para a anfitriã Argentina no Sul-Americano de 2006,resultado que classificou as rivais para os Jogos de Pequim emandou o Brasil para a repescagem contra a segunda colocada dopré-olímpico da África. Treze das 18 jogadoras chamadas por Barcellos para o jogodecisivo estão concentradas no centro de treinamento da CBF.Cinco atletas que atuam no exterior, entre elas a meia Marta--eleita pela Fifa a melhor jogadora do mundo em 2007 -- só sejuntam ao time na Europa na conexão do vôo para a China, seisdias antes da partida. As cinco "estrangeiras" -- Cristiane, Daniela Alves, RenataCosta e Rosana, além de Marta -- tem vaga praticamentegarantida no time titular brasileiro, mesmo com o menor tempode treinamento. De acordo com Barcellos, os resultadosconquistados no ano passado servem de credencial para asjogadoras. "Essa equipe já vem jogando junta há dois anos, no anopassado todas trabalharam juntas o ano inteiro", disse ele,referindo-se ao título dos Jogos Pan-Americanos do Rio deJaneiro e ao 2o lugar na Copa do Mundo da China. Ao contrário do Brasil, que só foi parado pela campeãAlemanha no Mundial do ano passado, a seleção de Gana foieliminada ainda na primeira fase com três derrotas. Aindaassim, o time africano vem sendo tratado com respeito pelasbrasileiras, especialmente por se tratar de uma partida só. "Esse vai ser o jogo da nossa vida, nós não podemos dejeito nenhum pensar em perder", disse a meia Formiga, que játem vaga confirmada pelo treinador para o jogo com asafricanas. "Não vamos ter uma segunda oportunidade para classificar.Acho que seria muito ruim para o futebol feminino do Brasilficar de fora dessa Olimpíada", acrescentou a jogadora de 30anos, que participou das campanhas do Brasil nas Olimpíadas deAtlanta (4o lugar), Sydney (3o lugar) e Atenas (2o lugar). A zagueira e capitã Aline Pellegrino acrescentou: "Um jogoé um jogo, você acaba tendo a mesma chance do adversário."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.