Ganhadores do Prêmio Nobel pressionam China sobre Darfur

Um grupo de vencedores do PrêmioNobel enviou uma carta ao presidente chinês, Hu Jintao,cobrando que o país-sede da Olimpíada sustente os ideaisolímpicos e pressione o aliado Sudão a parar com as atrocidadesna região de Darfur. "Como principal aliado econômico, militar e político dogoverno do Sudão, e como membro permanente do Conselho deSegurança das Nações Unidas, a China tem tanto a oportunidadecomo a responsabilidade de contribuir para a paz em Darfur",relatou a carta. "O fracasso do progresso de cumprir esta responsabilidaderesulta, em nossa visão, apoiar um governo que contribui para arealização de atrocidades contra seu próprio povo", afirmou acarta, divulgada em um dia de eventos da Save Darfur Coalition. A carta foi assinada por laureados do Prêmio Nobel, como obispo Carlos Belo, Shirin Ebadi, Adolfo Perez Esquivel,Rigoberta Menchu, arcebispo Desmond Tutu, Elie Wiesel, BettyWilliams e Jody Williams. Outros signatários incluem políticos ocidentais, ex-atletasolímpicos e personalidades, incluindo a atriz Mia Farrow. Farrow tem liderado a campanha global da coalizão parapressionar a china a mudar suas políticas no Sudão. Pequimvende armas ao governo sudanês e compra petróleo dele. Em mais de quatro anos de conflito na região de Darfur,sudeste do Sudão, 200 mil pessoas morreram e 2,5 milhões estãorefugiadas, segundo estimativas de especialistasinternacionais. Cartum insiste que 9.000 pessoas morreram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.