Gebrselassie desiste de maratona olímpica por causa da poluição

O recordista mundial de maratonaHaile Gebrselassie disse na segunda-feira que não competirá namaratona olímpica deste ano porque teme que a poluição do ar emPequim prejudique sua saúde. O corredor etíope, que sofre de asma, disse que competiriana prova mais curta, de 10.000 metros, nos Jogos de agosto. "A poluição na China é uma ameaça à minha saúde e seriadifícil para mim correr 42km na minha atual condição", disseele por telefone à Reuters. "Mas eu não estou desistindo das Olimpíadas em Pequim. Euplanejo participar da prova dos 10.000 metros", eleacrescentou. A poluição é um grande problema para Pequim, que já entrouna contagem regressiva para os Jogos. O chefe do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge,disse no ano passado que eventos como a maratona poderiam serremarcados se as medidas de contingência não tivessem o efeitodesejado. Gebrselassie apelou à China para que lidasse com oproblema, dizendo que a poluição seria "um perigo para osatletas, afetando seriamente suas performances". Dube Jillo, diretor técnico da Federação Atlética daEtiópia, disse que, até onde sua federação sabia, Haileparticiparia das Olimpíadas. "Porém, correr na maratona ou nos 10.000 metros pelos quaisele tem um recorde mundial é escolha dele", disse Dube àReuters. Rogge disse a repórteres em novembro, em Nova York, que umsistema de monitoramento seria implementado em Pequim paradizer quando a poluição do ar permite a realização dos Jogos. Provas que envolvem resistência, como a maratona ou ascorridas de ciclismo, poderiam ser adiadas por algumas horas oudeixadas para outro dia, disse Rogge. "Correr uma maratona por mais de duas horas ou andar debicicleta por cinco ou seis horas pode ser perigoso. Então,teríamos de adiar a corrida", disse ele na ocasião. (Reportagem de Tsegaye Tadesse)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.