Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Governo da Itália oferece ajuda para Milão ser sede dos Jogos de Inverno de 2026

Candidaturas de Canadá e Suécia perdem força e italianos correm por fora no pleito do COI

Estadão Conteúdo

15 de novembro de 2018 | 10h10

Favorito a ser escolhida como sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2026, a cidade de Milão recebeu nesta quinta-feira a promessa de uma importante ajuda para atingir esse objetivo. A candidatura Milão-Cortina d´Ampezzo terá o apoio financeiro do governo italiano se necessário.

"Se o fundo privado (de investimentos) não for suficiente, nós (governo) vamos dar o empurrão final", disse Matteo Salvini, ministro do Interior italiano, sobre os custos para organizar a Olimpíada de Inverno daqui oito anos.

Até agora, a candidatura está sendo financiada pelos governos da Lombardia e de Veneto, duas das regiões mais ricas da Itália, que ficam na parte norte do país.

E o favoritismo nesta disputa acontece por causa do enfraquecimento das outras duas candidaturas. Nesta semana, em referendo, a população de Calgary, no Canadá, rejeitou a ideia de receber novamente os Jogos, que já aconteceram na região no ano de 1988.

Já no caso de Estocolmo, na Suécia, o governo já anunciou que não vai dar ajuda alguma para a candidatura da cidade, o que é visto de forma negativa pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). A escolha da sede será feita em setembro do ano que vem. Em 2022, a Olimpíada de Inverno acontecerá em Pequim, na China.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.