André Duzek/Estadão
André Duzek/Estadão

Governo e comitê garantem que '100% dos problemas da Olimpíada serão resolvidos'

Autoridades afirmam que estão fazendo um detalhamento do que falta de ajuste e que todas as áreas estão sendo trabalhadas

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

26 de julho de 2016 | 19h25

Com um discurso de que os Jogos Olímpicos do Rio serão bem-sucedidos e tentando minimizar as críticas feitas à organização do evento e a alguns problemas encontrados na Vila Olímpica, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, do Esporte, Leonardo Picciani, e o presidente Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e paralímpicos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, concederam coletiva de imprensa e afirmaram que até o dia da abertura, 5 de agosto, "100% dos problemas estarão resolvidos".

"Pretendemos que até o fim de semana todos os edifícios estejam em ordem. Se eu for enumerar tudo que está bom e que ninguém falou, vocês não terão espaço", disse Nuzman, aos jornalistas. O presidente do Comitê Rio-2016 disse ainda que nas edições passadas sempre foram registrados problemas antes da abertura. "Ninguém começa organização de jogos olímpicos sem a necessidade de ajustes", afirmou, ressaltando que é comum problemas em apartamentos ou casas novas ou que passaram por reformas. "Todos nós moramos em apartamentos; todos nós temos problemas em casa."

Nuzman disse ainda que a organização está fazendo um detalhamento do que falta de ajuste e que todas as áreas estão sendo trabalhadas. Inclusive, minimizou o risco de problemas de abastecimento de energia. Nuzman afirmou que a Vila Olímpica tem 31 edifícios com 3.600 apartamentos entregues ao mesmo tempo. "É difícil que não tenha reparos a serem feitos", completou. "Pretendemos que até o final da semana todos os edifícios estejam em ordem."

MUDANÇA DE TOM

O ministro Eliseu Padilha, mudou o tom de seu discurso e afirmou que o momento é de solidariedade. Segundo ele, o presidente em exercício, Michel Temer, mandou uma mensagem para a reunião deixando claro "que agora o que está em jogo é a imagem do Brasil". Após as críticas da delegação australiana a Vila Olímpica, Padilha tinha dito que a responsabilidade das obras não era no governo federal. "Haverá solidariedade e responsabilidade, vamos estar juntos", comentou o ministro. Ao ser questionado sobre a mudança de discurso, Padilha disse que "claro que tem (mudança no discurso), está mudando também o tempo". "Se não solidarizar vai ficar alguma coisa descoberta."

Padilha afirmou ainda que nesta penúltima reunião preparatória para os Jogos houve a convicção de que o Brasil terá 100% dos problemas resolvidos e haverá tempo de corrigir alguns reparos. Segundo ele, entretanto, o julgamento da imagem do Brasil só virá no fim dos Jogos. "A imagem do Brasil será julgada no fim dos Jogos. Nesta fase de reta de chegada dos preparativos encontram-se problemas que estão sendo resolvidos". Questionado se as críticas eram injustas, Padilha disse que "justo ou injusto, vamos ver mais adiante no final das Olimpíadas".

O ministro Picciani também exaltou a crença de que os Jogos do Rio serão um sucesso e talvez "os melhores do mundo". "Eventuais ajustes nos Jogos estão dentro do que acontece normalmente", disse. "Saímos daqui confiantes que teremos uma grande edição dos Jogos Olímpicos", completou.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.