Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Governo indica que Júlio Delamare ficará fora da Olimpíada

Devido aos altos custos de adequação, presença em 2016 é dúvida

RONALD LINCOLN JR., O Estado de S. Paulo

20 de maio de 2015 | 12h29

O governo estadual do Rio indicou nesta quarta-feira a retirada do Parque Aquático Júlio Delamare dos Jogos Olímpicos. As provas preliminares de polo aquático estavam marcadas para a instalação, que fica dentro do Complexo do Maracanã. Mas, devido aos altos custos de adequação do local, a sua utilização ficou desfavorável para a concessionária que administra o estádio, a Odebrecht, e que seria responsável pelo custeio. As finais devem ocorrer no Parque Olímpico da Barra.

"Há grande possibilidade de o Júlio Delamare sair dos Jogos. Estamos estudando a transferência para Deodoro ou para a Barra", revelou o secretário-chefe estadual da Casa Civil, Leonardo Espíndola, em entrevista nesta quarta-feira, na sede do Comitê Rio-2016. Neste caso, os custos para a sediar as provas preliminares seriam menores e ficariam sob responsabilidade do Comitê Rio-2016.

A expectativa é que fossem necessários R$ 60 milhões para readequar o Julio Delamare de acordo com as exigências olímpicas. Mas caso a estrutura não seja utilizada na Olimpíada, o valor da reforma do parque aquático deve cair para R$ 30 milhões, com o objetivo de atender apenas a população.

A mudança ocorre em um momento de renegociação entre governo e a administradora do estádio para a manutenção da concessão. A Odebrecht reclama déficit na operação do Maracanã e propunha investir R$ 90 milhões no estádio para se manter no controle. Inicialmente, o governo estipulou o valor de R$ 180 milhões, mas após uma auditoria deve bater o pé em R$ 120 milhões - incluídos os custos das reformas -, segundo Espíndola.

A expectativa da Odebrecht quando assumiu a operação era poder construir centros comerciais onde atualmente ficam o Júlio Delamare e o estádio de atletismo Célio de Barros. E, agora, alega ter prejuízo com a decisão do governo de manter as duas instalações. Ambas estão fechadas desde o período de reforma do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.