Franck Robichon / EFE
Franck Robichon / EFE

Governo japonês minimiza 'preocupações' do imperador sobre aumento da covid-19 com os Jogos

Declaração de Naruhito teria sido apenas um 'sentimento' de Yasuhiko Nishimura, diretor da agência da casa imperial, e que o Japão vai organizar uma edição da Olimpíada segura

AFP, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2021 | 08h38

O governo japonês minimizou nesta sexta-feira afirmações atribuídas ao imperador Naruhito, que teria expressado "preocupação" com a propagação da covid-19 durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, alegando que os comentários eram apenas a opinião de um representante da casa imperial.

Na quinta-feira, Yasuhiko Nishimura, diretor da agência da casa imperial, que administra os temas relacionados ao monarca e sua família, declarou à imprensa que o imperador estava "muito preocupado com a atual situação das infecções da covid-19", informou a imprensa local.

Nishimura disse pensar que o imperador "está preocupado que, enquanto vozes entre a opinião pública manifestam inquietação, a realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos pode levar a um aumento das infecções."

De qualquer modo, ele afirmou que "não ouviu estas palavras diretamente da parte de Sua Majestade", mas que pensava que "sente isto", segundo a agência de notícias Kyodo.

O imperador não tem nenhum poder político, mas é considerado uma figura simbólica importante no Japão. As palavras foram consideravelmente minimizadas nesta sexta-feira pelo governo japonês. O primeiro-ministro Yoshihide Suga declarou aos jornalistas que Nishimura se "expressou a título pessoal". 

Esta posição foi repetida pelo ministro para os Jogos Olímpicos, Tamayo Marukawa, e pelo porta-voz do governo, Katsunobu Kato. "Pediram a Nishimura para comentar sobre seus sentimentos a respeito dos Jogos, e ele falou sobre seus sentimentos", disse Kato. "Entendi que ele afirmou que chegou à conclusão com suas conversas diárias com Sua Majestade. É necessário destacar que estava falando de seus próprios pensamentos", acrescentou. O porta-voz indicou que o governo japonês está decidido a organizar Jogos Olímpicos e Paralímpicos "seguros".

Há vários meses, a opinião pública japonesa está majoritariamente contrária à celebração do evento este ano, mas as pesquisas recentes apontam que os opositores perderam espaço. Os torcedores procedentes do exterior estão vetados, e o público local será limitado a 50% da capacidade do local de competição, ou 10.000 pessoas no máximo, o que for menor.

O Japão teve uma crise de saúde menos grave que a maioria dos países, com 14.500 mortes contabilizadas oficialmente por covid-19. A campanha nacional de vacinação começou lentamente, mas avançou nas últimas semanas, com quase 9% da população completamente vacinada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.