Toru Hanai|Reuters
Toru Hanai|Reuters

Governos locais do Japão se negam a assumir parte dos custos de Tóquio-2020

Orçamento dos Jogos Olímpicos é de cerca de R$ 50 bilhões

EFE

26 de dezembro de 2016 | 17h00

Vários governos regionais e locais do Japão informaram nesta segunda-feira à organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, que não estão dispostos a assumir o custo da construção das instalações temporárias para o evento esportivo.

Ao todo, seis prefeitos e quatro líderes de localidades próximas à capital expressaram essa postura em uma carta enviada ao presidente do comitê organizador, Yoshiro Mori, e à governadora de Tóquio, Yuriko Koike, com quem se reuniram.

Em particular, pedem que seja respeitado o plano inicial do comitê organizador, que havia se comprometido a assumir os custos da construção de todas as instalações.

Entre os líderes que assinaram a carta, estão os prefeitos de Saitama, Kanagawa e Chiba, cidades vizinhas da capital, assim como o de Sapporo, ao norte de Tóquio.

Em abril deste ano, o governo da Região Metropolitana de Tóquio e o comitê organizador decidiram modificar a estratégia e convocaram os líderes regionais de localidades que sediarão alguma disputa a bancar as instalações temporárias.

O comitê organizador afirmou na semana passada que o orçamento total para os Jogos Olímpicos chegará a entre 1,6 trilhão e 1,8 trilhão de ienes (de R$ 40 bilhões a R$ 50 bilhões), maior que o que foi gasto na Rio-2016, que ficou perto de R$ 40 bilhões.

Desse montante, a organização se responsabilizaria por 500 bilhões de ienes (R$ 13,95 bilhões), e o restante seria coberto pelos governos de Tóquio, o Executivo central e outras administrações.

A governadora da capital, que chegou ao cargo em julho, liderou várias iniciativas para revisar os planos de construção de novas instalações e seu financiamento.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.