Greenpeace afirma que poluição em Pequim é preocupante

Organização fala em adiar algumas competições, caso a capital chinesa não reduza sua nuvem de poeira

Ansa

28 de julho de 2008 | 10h20

Atletas de todo mundo que chegam a Pequim "têm bons motivos para ficarem preocupados" com a poluição da capital chinesa, afirmou nesta segunda-feira, o diretor chinês do grupo ambientalista Greenpeace, Lo Sze Ping. Nos últimos dias, uma forte nuvem de poeira tomou conta da cidade. Sze Ping acrescentou que o ar de Pequim ainda não alcançou o nível considerado mínimo aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Caso este nível não seja alcançado em tempo até as competições, prosseguiu o responsável pelo Greenpeace, "há razões para considerar a possibilidade de adiar alguns dos eventos". A possibilidade de adiar ou de transferir para locais diferentes algumas das competições havia sido sondada em 2007 pelo presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge. Em um relatório sobre política ambiental em Pequim apresentado nesta segunda-feira, o Greenpeace ressaltou como a prefeitura está se movimentando "com atraso" especialmente no "melhoramento da situação do transporte público". O Greenpeace reconhece, no entanto, que a prefeitura de Pequim deu passos importantes e que as Olimpíadas "deixarão como herança" uma situação melhor em relação ao transporte público e à economia de energia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.