Wander Roberto/ COB
Wander Roberto/ COB

Hebert Conceição derrota ucraniano por nocaute e conquista medalha de ouro no boxe em Tóquio

Brasileiro não vai bem nos dois primeiros rounds, mas consegue a vitória com golpe espetacular, que derruba o rival e acaba com a luta

Wilson Baldini Jr, Estadão Conteúdo

07 de agosto de 2021 | 03h17

O boxeador Hebert Conceição conquistou a medalha de ouro na categoria dos pesos médios (até 75 quilos) nos Jogos Olímpicos de Tóquio, ao vencer, neste sábado, o ucraniano Oleksabdr Khyzhniak, por nocaute técnico, no terceiro assalto. "A medalha de ouro não é só minha, é do Brasil. Eu treinei muito para isso", disse o boxeador. "Eu quero ser recebido no aeroporto, mas sem aglomeração." 

Como se esperava, o ucraniano foi para o ataque desde o primeiro gongo. Encurtou a distância e não deixou Hebert se movimentar. Com isso, aplicou mais golpes e venceu os dois rounds para os cinco jurados. A disputa foi para o terceiro e último assalto com o brasileiro precisando de um nocaute para vencer a luta. Era o único caminho. Em Olimpíadas, os nocautes são raros de acontecer.

E o golpe salvador veio a 1min29 com um cruzado de esquerda espetacular de Hebert. O juiz Muhammad Arisa Putra Pohan, da Indonésia, paralisou o duelo. No boxe olímpico, os juízes são muito cautelosos e não deixam que o lutador seja castigado. A luta acabou. 

Como o golpe entrou de forma muito precisa e o ucraniano caiu imediatamente, o juiz nem abriu contagem e já decretou o nocaute técnico. No profissional, com certeza, o duelo teria prosseguimento. O boxeador ainda tentou mostrou os punhos erguidos para voltar ao combate, mas não foi autorizado.

Hebert, de 23 anos, natural de Salvador, repete o feito de Robson Conceição, campeão olímpico na Rio-2016. O boxe brasileiro volta ao ringue da Kokugikan Arena, neste domingo, a partir das 2 horas (de Brasília) com Beatriz Ferreira, que vai disputar também a final, na categoria dos leves (até 60 kg), com a irlandesa Kellie Harrington.

Além de Robson, Bia e  Hebert Conceição, o boxe brasileiro soma mais cinco medalhas em Olimpíadas. Servílio de Oliveira foi bronze no México-1968, depois Esquiva Falcão, Yamaguchi Falcão e Adriana Araújo subiram no pódio em Londres-2012. Robson Conceição foi campeão na Rio-2016 e Bia luta por mais um pódio, enquanto Abner Texeira ficou com  bronze entre os pesados em Tóquio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.